Home / Açores / Açores vão alcançar os seus objetivos com o ProSucesso, afirma Avelino Meneses
Açores vão alcançar os seus objetivos com o ProSucesso, afirma Avelino Meneses

Açores vão alcançar os seus objetivos com o ProSucesso, afirma Avelino Meneses

O Secretário Regional da Educação e Cultura manifestou, em Angra do Heroísmo, a convicção de que os Açores, com a implementação do programa de promoção do sucesso escolar ProSucesso, alcançarão os seus objetivos e “a sociedade melhorará, como é objetivo da política”.

Avelino Meneses, que falava sexta-feira na sessão de encerramento do seminário ‘Humanizar a Sociedade’, organizado pela Cáritas dos Açores, defendeu, no entanto, que esse objetivo só será concretizado “se cada família encarar a educação como uma inequívoca prioridade e se cada estudante levar o seu futuro da escola, sem jamais o deixar na escola”.

Com vista a conferir “oportunidade a todos, em situação de relativa igualdade”, o Secretário Regional da Educação realçou a importância dos Açores terem um sistema de Ação Social Escolar para que “cada estudante beneficie das condições materiais indispensáveis à plena exploração das suas capacidades intelectuais”.

Na sua intervenção, Avelino Meneses destacou, ainda, o papel da escola como “alforje da cidadania” e do desenvolvimento “como via” de obtenção de “maior progresso”, bem como as tarefas desempenhadas pelas instituições criadas livremente pelos cidadãos para a promoção da solidariedade social.

“As instituições do governo democrático e do Estado de Direito devem ser o campo de harmonização do progresso com a justiça. Entre tais instituições contam-se as escolas e os governos”, referiu.

A escola, segundo Avelino Meneses, porque é a formação que “melhor consorcia” o desenvolvimento económico e a promoção social e porque “importa que constitua um baluarte de humanismo”.

Ao governo, acrescentou o Secretário Regional, cabe-lhe um papel “determinante de regulação”, para que “a competividade seja um fator de progresso sem ser um instrumento de desrespeito pela condição humana” e para que “a solidariedade seja um fator de justiça sem ser um instrumento de paralisação da iniciativa”.

GaCS/RL Açores

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top