Amostras recebidas no Laboratório Regional de Enologia dos Açores aumentam cerca de 250%

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente destacou esta quarta-feira, na Madalena do Pico, que o Laboratório Regional de Enologia (LRE) registou, desde a sua abertura, em finais de 2011, um aumento de cerca de 250% no número de amostras que recebe anualmente.

“Passou de 1.375 amostras registadas em 2011 para 3.395 em 2015”, frisou Luís Neto Viveiros, que falava na cerimónia que assinalou a acreditação do LRE pelo Instituto Português da Acreditação (IPAC).

“Além da mais-valia de ser um reconhecimento internacional da sua competência técnica, vai permitir que os vinhos produzidos no arquipélago e que se candidatam a certificação através da Comissão Vitivinícola Regional dos Açores sejam analisados na Região, neste laboratório”, afirmou.

Na sua intervenção, Neto Viveiros salientou que o complexo processo de acreditação de sete ensaios realizados no LRE representa “ganhos de custo e de proximidade para os vitivinicultores açorianos”, acrescentou, contudo, que, “apesar deste marco, o esforço a realizar não chegou a um fim”.

“O LRE tem como estratégia a médio prazo a acreditação da grande maioria dos ensaios que realiza, estando já a preparar um pedido de extensão para a acreditação de mais cinco ensaios, comprados que foram os equipamentos de referência necessários”, anunciou o titular da pasta da Agricultura.

Luís Neto Viveiros congratulou-se ainda com os “muitos e bons frutos” da medida ‘Potenciar o Setor Vitivinícola’, inscrita pelo Governo na Agenda Açoriana para a Criação de Emprego e Competitividade Empresarial.

O Secretário Regional frisou que este plano integrado de ação para recuperar, preservar e incentivar de forma integrada o aproveitamento de todo o potencial de riqueza da paisagem da vinha e da produção de vinho envolve três direções regionais – da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e do Ambiente -, salientando que está atualmente em restruturação uma área de vinha de mais de 326 hectares, quando, entre 2009 e 2013, apenas foram reestruturados 34,05 hectares.

Nesse sentido, Neto Viveiros enalteceu a “resiliência e empreendedorismo dos vitivinicultores, defendendo que “prosseguir a aposta na dinamização e fortalecimento da vinha, do vinho e da sua cultura, passa também por promover o Enoturismo na Região”.

“Objetivo, aliás, partilhado no seio da Assembleia das Regiões Europeias Vitícolas (AREV), organismo que integramos e que está a estudar a criação de uma marca de excelência enoturística, a ser utilizada por todas as regiões membros da AREV, como é o caso dos Açores”, adiantou o Secretário Regional.

GaCS/RL Açores

Deixe uma resposta