“As contas da SATA foram sempre validadas por entidades externas e submetidas ao Tribunal de Contas”, lembrou Francisco César

“Apesar do folclore mediático que alguns partidos da oposição procuraram fazer nas passadas duas reuniões da Comissão de Inquérito à SATA, a realidade última é que as contas da empresa foram sempre validadas por entidades externas; a Deloitte até 2013 e a Price Waterhouse Cooper desde então. Importa também referir que as contas do Grupo Sata, por pertencer ao Setor Público Empresarial Regional, são remetidas todos os anos para o Tribunal de Contas”, destacou Francisco César.

O Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PS falava esta quinta-feira, na delegação de S. Miguel da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

Francisco César manifestou a sua “estupefação com o facto de estarmos a assistir, por parte de alguns partidos, a um exercício de descredibilização da companhia aérea regional, que é estratégica para os Açores e para os Açorianos”, considerando “não ser aceitável que se use um ativo tão valioso como arma de arremesso político”.

O deputado socialista frisou que as duas auditoras que prestaram serviços à SATA “aprovaram sempre as contas da empresa, que fatura anualmente cerca de 180 milhões de euros, manifestando apenas reservas em relação a uma porção muito pequena desta verba”.

“É evidente o jogo político que alguns partidos estão a procurar fazer, procurando exacerbar eventuais falhas, pensando que daí poderão advir alguns ganhos políticos”, lamentou o socialista.

Francisco César recordou que a SATA apresentou recentemente o seu plano de negócios até 2020 e que “no ano de 2014 já conseguiu reduzir a sua dívida para 161 milhões de euros, quando o estimado no plano era de 179 milhões; são menos 18 milhões de euros de dívida num ano, um valor que é assinalável”. O parlamentar frisou ainda que a SATA “já está a formar tripulações para a nova frota A330 e que os trâmites do processo de leasing para a nova frota estão a decorrer dentro do prazo anunciado”.

“Quanto a eventuais discrepâncias entre as declarações do Presidente do Conselho de Administração da SATA e as do responsável de uma empresa de auditoria, o que é certo é o seguinte: é que o Dr. Luís Parreirão já manifestou a sua disponibilidade para esclarecer tudo e fê-lo com documentos, que já submeteu à Comissão de Inquérito à SATA. Naturalmente que o Partido Socialista manifestou a sua disponibilidade para ouvir novamente o Dr. Luís Parreirão”, finalizou Francisco César.

GI PS Açores/RL Açores

Deixe uma resposta