Avelino Meneses garante que segurança nas escolas é “prioridade” para o Governo

O Secretário Regional da Educação e Cultura garantiu esta segunda-feira, em Ponta Delgada, que a segurança dos estudantes e de outros utentes nas escolas é uma “prioridade” para o Governo dos Açores.

Avelino Meneses, que foi ouvido pela Comissão Parlamentar de Politica Geral da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, no âmbito de um Projeto de Resolução sobre ‘Segurança e Proteção dos Edifícios Escolares e dos seus Utentes’, defendeu que a eventual aplicação desta iniciativa “não corresponde à passagem de um deserto para um oásis”.

O Secretário Regional frisou que as escolas dos Açores, apesar da falta de adaptação, em alguns casos, ao regime jurídico contra incêndios, “possuem relativamente interiorizada uma cultura de proteção civil”, acrescentando que isso se comprova com o facto de “todas as unidades orgânicas possuírem um plano de evacuação e cerca de um terço desses planos estarem aprovados pelo Serviço Regional de Proteção Civil”.

“A generalidade das escolas, com ou sem entidades externas, procede com regularidade a simulações de incêndio e catástrofes”, afirmou Avelino Meneses, salientando ainda que “praticamente todas as unidades orgânicas fazem a distribuição de informação sobre a prevenção, além de muitas escolas possuírem Clube de Proteção Civil”.

Segundo o Secretário Regional, outras escolas “desenvolvem ações de formação nesta área em cooperação com os corpos de bombeiros e com a PSP e, consoante os ciclos de ensino, a proteção civil é abordada em disciplinas como o Estudo do Meio e Cidadania”.

“Entendemos que a obtenção de uma maior segurança beneficia da generalização de uma cultura de proteção civil, que possua por alicerce a prevenção que é o melhor meio de evitar acidentes”, frisou.

Avelino Meneses recordou que, neste âmbito, o Governo dos Açores procedeu recentemente à monitorização da qualidade do ar nas três maiores escolas de S. Miguel – Arrifes, Canto da Maia e Capelas- , com cobertura de fibrocimento.

Essa monitorização permitiu concluir que, mesmo no caso de algumas salas na escola das Capelas, em que terá ocorrido um excesso de fibras totais em suspensão, as fibras especificamente de amianto “encontravam-se muito abaixo, muitíssimo abaixo, de qualquer índice de perigosidade”.

GaCS/RL Açores

Deixe uma resposta