Home / Destaque / Catarina Cabeceiras exige reparação urgente do Caminho de Baixo na Calheta danificado há 4 anos
Catarina Cabeceiras exige reparação urgente do Caminho de Baixo na Calheta danificado há 4 anos

Catarina Cabeceiras exige reparação urgente do Caminho de Baixo na Calheta danificado há 4 anos

 

A Deputada do CDS-PP Catarina Cabeceiras questionou, esta quarta-feira, o Governo Regional sobre as obras de requalificação e manutenção na Estrada Regional 1-2ª – acesso ao Porto Novo – Caminho de Baixo, no Concelho da Calheta, que “há sensivelmente 4 anos” espera pela regularização do piso que está danificado e a colocar dificuldades na circulação automóvel.

Num requerimento entregue no Parlamento Açoriano, Catarina Cabeceiras frisa que “uma das principais vias que assegura a ligação entre as freguesias da Calheta e Ribeira Seca é a Estrada Regional 1-2ª acesso ao Porto Novo, designado como Caminho de Baixo”, realçando que, “neste troço de estrada, existe uma zona onde há sensivelmente 4 anos existiu um abatimento de uma parte da via, possivelmente pelo embarrigamento do muro que se pode verificar in situ, o que impossibilita a circulação, nessa zona, numa das vias, não sendo possível o trafego normal na zona”.

Ora, acrescenta, a zona danificada situa-se junto a um estabelecimento comercial e próxima de uma curva o que “provoca constrangimentos aos automobilistas” e pode vir a “ter consequências na zona circundante”.

Em 2016, lembrou a Deputada do CDS-PP, “no âmbito da visita estatuária do Governo Regional à Ilha de S. Jorge”, assumiu “o compromisso de solucionar este problema, o que até ao momento não se verificou”, sendo que “o movimento rodoviário nessa estrada, obriga à necessidade de assegurar a segurança rodoviária e dos peões”.

Neste sentido, e considerando a demora envolvida na resolução deste problema, Catarina Cabeceiras questionou o executivo socialista sobre se “já foi adjudicada a empreitada para reparar a Estrada Regional 1-2ª acesso ao Porto Novo, na zona afetada pelo abatimento na via?” e, em caso de resposta afirmativa “em que data e para quando a sua consignação?”.

Por fim, a parlamentar popular pergunta “em que data se prevê o início dos trabalhos de reabilitação daquela zona?”, “qual o prazo previsto para a conclusão da obra?” e “qual o valor da obra?”.

GI CDS-PP Açores/RL Açores

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top