Home / Destaque / Certificação do Porto das Velas permite internacionalizar infraestrutura portuária, assegura Ana Cunha
Certificação do Porto das Velas permite internacionalizar infraestrutura portuária, assegura Ana Cunha

Certificação do Porto das Velas permite internacionalizar infraestrutura portuária, assegura Ana Cunha

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou hoje que os recentes investimentos realizados no Porto das Velas, em S. Jorge, como a construção da nova gare marítima e o reordenamento e ampliação do porto, vieram dar “outra dimensão ao porto, que anteriormente não existia”.

Para Ana Cunha, “a certificação do porto ou a necessidade de esse porto cumprir com determinados princípios ou regras de segurança, nomeadamente com o Código Internacional para a Proteção dos Navios e Instalações Portuárias (ISPS), prende-se com aquilo que é a pretensão de internacionalização deste porto”, à semelhança dos portos de Ponta Delgada, da Praia da Vitória, da Horta e de São Roque, e “visa torná-lo apto a receber navios a nível internacional, nomeadamente navios de cruzeiros temáticos, navios de expedição”.

Ouvida pela Comissão de Economia da Assembleia Legislativa, a titular da pasta dos Transportes referiu “a divulgação que tem vindo a ser feita” dos vários portos nas feiras internacionais, nomeadamente, em abril, na feira de Miami, como exemplo da “aposta clara na captação desse fluxo de tráfego”.

Este objetivo “tem vindo a ser conseguido, a par e passo, com a implementação de determinados investimentos, medidas de segurança inerentes a esses investimentos e a consequente certificação pela Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM), que realiza as inspeções e não permite prorrogar por mais tempo a implementação de determinadas medidas de segurança, nomeadamente as medidas de controlo de acesso de pessoas”.

Ana Cunha lembrou que toda a legislação, “internacional e nacional, tem vindo a impor, a determinados portos, nomeadamente estes, requisitos de certificação, que se prendem essencialmente com questões de segurança das pessoas: segurança física, segurança dos bens e segurança também da própria atividade portuária”.

Assim, “essas medidas de segurança não se coadunam com a livre entrada no porto”, sendo que “a atividade de pesca lúdica deixa de ser possível nestes portos, essencialmente por questões de segurança”, afirmou.

GaCS/RL Açores

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top