Conjugação de esforços e sinergias beneficia agricultores e populações, afirma Neto Viveiros

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente afirmou esta terça-feira, na Povoação, que a conjugação de esforços e de sinergias, designadamente entre o Governo dos Açores e as autarquias, beneficia os empresários agrícolas e as populações.

Luís Neto Viveiros, que falava na assinatura de um protocolo com a Câmara Municipal que viabiliza a beneficiação dos caminhos da Queimada e do Curral Fundo, na freguesia das Furnas, salientou que este “conjugar de esforços” permite “potenciar as capacidades de cada um para, de uma forma harmonizada, dar satisfação às expetativas das pessoas e das populações”.

O titular da pasta da Agricultura destacou ainda e para além da colaboração dos municípios da Povoação e do Nordeste, a cooperação das juntas de Freguesia e dos lavradores abrangidos pela execução de obras de infraestruturação agrícola nestes concelhos da ilha de S. Miguel, cuja conclusão foi também hoje assinalada.

No concelho do Nordeste, onde foi investido nesta legislatura mais de um milhão de euros em vias sob a gestão da Direção Regional dos Recursos Florestais, foi executada a obra de beneficiação do Caminho Rural do Espigão da Madeira, na freguesia da Achada.

Este investimento de quase 800 mil euros garante uma maior segurança de circulação aos agricultores com a implementação de um sistema de drenagem.

No concelho da Povoação, onde foram já realizadas obras no valor global de meio milhão de euros, foi assinalada a conclusão da obra de beneficiação do Caminho Rural do Arrasto, na freguesia de Água Retorta, que contemplou, além da pavimentação, as caleiras e um aqueduto.

O Secretário Regional, que também visitou hoje as empreitadas do Caminho Rural do Moinho, uma obra já concluída na freguesia de Salga, no Nordeste, e dos caminhos rurais da Borda da Rocha e do Vale Grande, em Água Retorta, na Povoação, destacou a importância do investimento no abastecimento de água, caminhos e eletrificação.

Luís Neto Viveiros destacou que, sendo esta uma aposta estratégica a prosseguir, ela contribui significativamente para a redução dos custos de exploração e, consequentemente, para o aumento da competitividade das explorações agrícolas.

GaCS

Deixe uma resposta