CulturaDestaqueLocal

Cooperativa de Artesanato Senhora da Encarnação vai lançar linha de acessórios fruto de uma Residência Criativa (c/áudio)

Residência Criativa é o nome dado à formação promovida pelo Centro Regional de Apoio ao Artesanato e que tem ocupado por estes dias as três mulheres que dão vida à Cooperativa de Artesanato Senhora da Encarnação, na Ribeira do Nabo, em São Jorge.

O nome da formação diz tudo – a criatividade é o elemento fundamental para a criação de novos e modernos produtos mas que não perdem as características fundamentais do artesanato.

O objetivo principal é para além de modernizar, aumentar as vendas. Uma ideia que agrada a Avelina Reis, Presidente desta Cooperativa.

A dar a formação às tecedeiras e bordadeiras da Cooperativa Senhora da Encarnação está Paula Caria, uma designer de moda que veio do Porto.

Habituada a trabalhar já com o Artesanato, tendo vários trabalhos desenvolvidos com a Cooperativa de Artesanato as Capuchinhas, a designer alia agora os seus ensinamentos às tradições de São Jorge.

A ideia é que dentro de muito em breve a Cooperativa de Artesanato Senhora da Encarnação tenha já para venda ao público uma linha de acessórios.

Apesar das inovações, Avelina Reis diz que a Cooperativa de Artesanato continua a receber encomendas para aquelas peças mais tradicionais.

Esta Residência Criativa irá ter uma segunda fase onde se pretende que as tecedeiras da Cooperativa Senhora da Encarnação aprofundem mais os seus conhecimentos e quem sabe possam começar a pensar numa linha de vestuário a partir dos teares e dos bordados.

De salientar que nesta primeira fase da Residência Criativa, a designer Paula Caria diz que a sua fonte de inspiração tem sido, sem dúvida, a ilha, com as cores dos acessórios criados estando relacionadas com o mar, com o verde da ilha e até mesmo relembrando o basalto.

A Cooperativa Senhora da Encarnação, na Ribeira do Nabo, existe há 27 anos e conta atualmente com três tecedeiras e bordadeiras que não têm descanso e mantêm as portas abertas mostrando e vendendo aquilo que de mais tradicional se faz em São Jorge a nível de artesanato, apostando também agora em algumas inovações.

Liliana Andrade/RL Açores

Comment here