“Dívida do governo regional à SATA está a destruir companhia”, considera Duarte Freitas

O presidente do PSD/Açores disse, esta quarta-feira, que “o presidente do governo regional é o principal responsável pela situação em que se encontra o grupo SATA, bastando pagar os 40 milhões de euros que a Região está a dever à companhia açoriana para esta ficar com a sua situação mais aliviada. Essa dívida está a destruir a empresa”.

Duarte Freitas considerou que esta dívida “é intolerável” e que está, “inclusivamente, a colocar em causa a sustentabilidade da empresa e o futuro dos seus cerca de 1200 trabalhadores”.

“Quarenta milhões de euros são o equivalente a dois anos de indemnizações compensatórias”, recordou Duarte Freitas.

“O que podemos concluir nesta gestão socialista é que o secretário Vítor Fraga não paga as indemnizações compensatórias à SATA Air Açores desde que tomou posse nem paga a dívida que lá tinha sido deixada pelo atual presidente do governo quando era secretário regional da Economia”. “Também não há conhecimento que Vítor Fraga, como membro do conselho de administração da SATA, alguma vez tenha exigido a Vasco Cordeiro que pagasse as dívidas de 2012”.

“Pior ainda é verificar que o governo regional não paga à SATA, mas ao mesmo tempo a empresa está a fazer empréstimos na banca com juros altíssimos para substituir o dinheiro que o governo devia pagar e não paga”.

Segundo o presidente do PSD/Açores a gestão do governo socialista só tem provocado problemas à empresa: “há sempre alguém para mandar voar para aqui e para ali, para aumentar as despesas, mas depois já não há ninguém para pagar os custos dessas decisões ruinosas, como se viu com o exemplo das ligações falhadas para o Brasil ou as ligações diárias com a América do Norte que estão a arrastar o nome da SATA na lama”.

Duarte Freitas disse ainda “desejar que as novas obrigações de serviço público para as ligações com o exterior entrem em vigor depressa”. “Já passou muito tempo, numa certa fase todos, incluindo o PSD/Açores, pensaram que esse atraso era da responsabilidade do governo da República e agora parece é existir da parte da Região algum interesse em prolongar a atual situação por mais algum tempo de forma a impedir que a SATA tenha uma quebra súbita das receitas”.

Para o presidente do PSD/Açores, “a SATA é um instrumento importantíssimo de coesão regional que deve ocupar um lugar central em qualquer estratégia de desenvolvimento”.

PSD Açores/RL Açores

Deixe uma resposta