Home / Crónicas / Eu amo esta terra… Crónica de Terry Costa
Eu amo esta terra… Crónica de Terry Costa

Eu amo esta terra… Crónica de Terry Costa

Amar. Amor. Eu amo. Tantas vezes ouvimos esta expressão, que até parece perder-se no seu significado. Mas, eu amo esta terra!

Aquele momento quando nos esquecemos do tempo – e do clima, que se sente quando se está conversando em frente da porta do Centro de Interpretação da Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, com o diretor do Parque Natural – Paulino Costa, e a videografa Ana M. Costa questiona porque estamos na rua, debaixo de bruma; quando o Tony Silveira está a afinar seu violão, em frente da prensa de lagar; o Wilson Medina, a tocar uns acordes para a sua filhota, que quer é dançar ao som do que o pai lhe oferece com seu bandolim; o Grupo de Chamarritas da Casa da Música da Candelária (agendados para bailar, numa hora de temporal ventoso) decidem que a varanda do Baco´s Corner é mesmo o melhor lugar para o bailo, do fim de tarde; o Fado Ilhéu, a aquecer o Alto da Bonança, em Santa Luzia; a Fátima Gamboa, com um sorriso que vai e vem de Lisboa à ilha montanha, contente com sala cheia e mesa bem posta e composta – uma casa portuguesa com certeza!; a Conceição Gomes, cheia de orgulho, mostrando a Casa Inverno na Villa 4 Seasons, estes são apenas alguns momentos do primeiro dia do Visitarte – o festival de artes em casas rurais. E, refletem algumas das razões por que, repito dia após dia, “eu amo esta terra!”.

Criar, organizar, apresentar, promover, incentivar, participar, gostar, abraçar o que nos oferecem, o que nos rodeia, às vezes parece mais difícil do que podia mesmo ser. O ser humano tenta complicar o viver. Temos, assim, tantas inseguridades que no lugar de dizer sim é mais fácil dizer um não? Vejam só o que conseguimos com o “sim” quando foi apresentado esta ideia de levar arte e abrir portas a estes lugares construídos ou re-construídos com tanto amor.

Quando pedi à senhora Salomé Medeiros para nos encontrarmos no lugar do baloiço não esperava que o baloiçar fosse fazer parte da conversa. Foi um momento tão precioso que me fez questionar quando tinha sido a última vez que tinha estado num baloiço. A Quinta da Ribeira da Urze, na Prainha de Cima, tem este lindo baloiço, que agora já sei que quando por lá passar, vou tirar um minuto para apreciar a paisagem, no balanço, neste lugar paradisíaco, que nos mostra a serra vistosa e a ilha de São Jorge, que parece querer apegar-se ao Pico. Desde criança, que ela me responde. E já se passaram umas boas décadas… espero que volte ao baloiço, mais vezes, tal como se aventurou nesta ideia da MiratecArts, de abrir as portas desta casa rural, para brindarmos e brincarmos um pouco, com a dança e com a turma de bailarinas de Sofia Sousa, da Santa Casa da Misericórdia.

As histórias, as aguardentes, os toques dos instrumentos liderados por Zilda Machado e os sorrisos contagiantes da família Simas, na Adega da Varanda Alta, no lugar do Canto, em Santo Amaro; o cavalo branco, que ficou amigo após sentir o calor da mão humana no seu rosto, e a menina Vitória, a mais atenta na performance-arte com pintura-ao-vivo, na Casa do Paim em Santo António; o Bruno da Rosa, a estrear as suas músicas, com letra em português, na Aldeia das Adegas; o Grupo de Cordas Ilha Negra a encher as ruas e salas das Adegas do Pico, com os sons de tradição dos instrumentos de corda… isto é a Capital do Turismo Rural – São Roque do Pico.

Isto é a razão pela qual o executivo camarário disse sim à aventura com a MiratecArts e porque o seu presidente Mark Silveira acompanhou e também participou, com sua voz em canto e cantigas, nestes dias de Visitarte. Isto é amar o que temos na nossa ilha. Eu amo ESTA terra!

Fotografias: ©Pedro Silva

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top