Governo dos Açores investe mais de 5 ME em ribeiras para proteger pessoas e bens

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente afirmou hoje, na apresentação do projeto de retenção de fluxos detríticos na Ribeira do Dilúvio, no Pico, que o Governo dos Açores triplicou este ano o investimento público na requalificação e proteção das linhas de águas em toda a Região, num investimento superior a cinco milhões de euros.

Luís Neto Viveiros salientou que, além das ações constantes de limpeza e manutenção realizadas pelos serviços operativos, estão este ano a concurso, a ser executadas ou foram já concluídas obras no valor global de quatro milhões de euros nas ilhas Terceira, S. Miguel, Pico, S. Jorge e Flores.

Este significativo investimento, segundo o Secretário Regional, traduz-se numa maior segurança para pessoas e bens, dando como exemplo a intervenção que vai ser realizada na confluência da Ribeira do Dilúvio com o Caminho do Dilúvio, na freguesia de S. Caetano, no concelho da Madalena.

Devido à natural erosão da encosta sobranceira ao Caminho do Dilúvio e ao poder erosivo dos caudais escoados na Ribeira do Dilúvio, quando ocorre precipitação intensa tem-se verificado o escoamento da ribeira através do Caminho do Dilúvio, registando-se prejuízos nos imóveis circundantes e no pavimento da via pública.

O projeto, apresentado no âmbito da Visita Estatutária do Governo ao Pico, prevê retificações que visam a proteção, regularização e controlo de fluxos detríticos e redimensionamento da passagem a vau do Caminho do Dilúvio, nomeadamente com a construção de uma bacia de retenção e capacidade de cerca de 4 mil m3, o maior aproveitamento possível da área do leito de ribeira, muros de contenção laterais em betão ciclópico e um açude em betão ciclópico e enrocamento, de modo a reter os caudais sólidos.

O projeto de execução pretende ainda garantir as condições de acessibilidade aos terrenos adjacentes à Ribeira do Dilúvio, incluindo as vias de circulação em que os terrenos são maioritariamente de privados, bem como permitir e ordenar o escoamento do caudal, no sentido de se evitar futuros galgamentos ou inundações.

A área de intervenção corresponde à zona de confluência da Ribeira do Dilúvio que se estende por uma área que abrange um trecho de cerca de 70 metros de extensão da Ribeira do Dilúvio e, outro, de cerca de cerca de 20 metros no Caminho do Dilúvio, que a atravessa perpendicularmente.

GaCS/RL Açores

Deixe uma resposta