Home / Açores / Governo dos Açores participa em consulta pública da UE sobre possibilidades de pesca para 2017
Governo dos Açores participa em consulta pública da UE sobre possibilidades de pesca para 2017

Governo dos Açores participa em consulta pública da UE sobre possibilidades de pesca para 2017

O Governo dos Açores, no âmbito de um processo de consulta pública da Comissão Europeia, deu parecer desfavorável à proposta de Regulamento que estabelece condições específicas para a pesca de espécies de profundidade no Atlântico Nordeste, bem como a disposições aplicáveis à pesca em águas internacionais do Atlântico Nordeste, considerando que “é urgente que se promovam e sejam contempladas um conjunto de propostas de alteração”.

A introdução da obrigação de desembarcar a pesca acidental nas pescarias de demersais específicas no Atlântico a partir de 2017 é uma das matérias que se discute e que a Região terá de cumprir, tendo o Governo dos Açores alertado, uma vez mais, para “as preocupações que levantam as pescarias de espécies de profundidade no arquipélago”.

O Executivo açoriano aponta “a importância da gestão da pesca por adoção de quotas multiespecíficas, por permitir não só uma abordagem ecossistémica, como também a possibilidade dar uma resposta a pescarias onde as artes de pesca não tenham apenas uma espécie alvo”.

No documento enviado, o Governo dos Açores recorda que contestou a redução da quota do goraz para o biénio 2015/2016 e, nesse sentido, refere que, para além do “corte drástico” nas possibilidades de pesca, “com fortes consequências socioeconómicas para a comunidade piscatória”, foram implementadas na Região um conjunto de medidas por forma a garantir a sustentabilidade desta pescaria.

Nesse sentido, refere, entre outras, a implementação de um período de defeso, “fazendo-o coincidir com o período de pico de reprodução da espécie”, bem como a eliminação das margens de tolerância na captura do goraz e o aumento do tamanho mínimo de captura.

O Executivo açoriano faz ainda referência, neste documento, às novas zonas de reserva para a gestão de capturas e ao sistema de gestão baseado na distribuição das possibilidades de pesca de goraz por cada ilha do arquipélago dos Açores.

Relativamente à captura de Beryx (Imperador e Alfonsim), o Governo dos Açores lembra que “não existe uma pescaria dirigida exclusivamente a esta espécie na Região, estando a sua captura incluída no conjunto de espécies de palangre de fundo, existindo apenas uma quota nacional”.

Assim, e atendendo a que nos últimos anos o limite da quota estabelecido para o Imperador tem sido “sistematicamente atingido durante o terceiro trimestre de cada ano”, o Governo dos Açores propôs que fosse considerado, na próxima revisão, o aumento de pelo menos 10% nas possibilidades de pesca referente a esta espécie, dado que “a quota está a ser atingida cada vez mais cedo”.

GaCS

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top