Já é conhecida a reestruturação da SATA

De acordo com o plano de reestruturação apresentado pelo Conselho de Administração do grupo, a empresa regista resultados operacionais negativos, 135 milhões de euros nos últimos três anos, representando, 20% das receitas.

O nível de dívida é de 373 milhões, o que limita a capacidade de investimentos da SATA nas suas operações e competitividade.

A situação líquida também é negativa, com o capital próprio a ser de 297 milhões negativos, o que limita a atividade da empresa para financiamento e investidores privados, havendo também problemas de tesouraria que se deterioraram com o impacto da covid-19 no setor da aviação.

Os Açores têm que estar no centro da missão da SATA, para isso, a empresa pretende consolidar o vínculo com a diáspora Açoriana na América do Norte, e ser a escolha preferencial como elo de ligação entre os Açores e Portugal Continental, ter uma operação focada nos mercados turísticos chave e ser um pilar na mobilidade de pessoas e bens nos Açores.

Para alcançar o equilíbrio financeiro e gerar mais valor, o Conselho de Administração quer recorrer a uma maior utilização dos ativos e obtenção de escala crítica mínima; uma operação eficiente com menores custos e otimização de recursos e reestruturação da base de custos e foco nos passageiros como proposta de valor apelativa. Basicamente, uma estratégia focada na ligação dos Açores, sendo que, no âmbito da Azores Airlines, passa pela reestruturação das obrigações de serviço público com ajustamento das rotas para permitir otimização das bases e revisão das condições de operação para melhoria dos resultados, o foco para os mercados chave para os Açores, uma melhor ligação à diáspora e procurar as melhores rotas para voar, na aposta na operação de voos noturnos e o aumento da utilização da frota através da otimização da rede e dos horários.

Quanto à SATA Air Açores, a aposta passa pela melhoria das ligações no Arquipélago e aumento da capacidade máxima e resposta à procura.

O objetivo é a SATA Air Açores ser uma frota reduzida mas mais flexível e rentável.

O Conselho de Administração apresenta quatro pilares para garantir eficiência de custos e agilidade da SATA.

Reestruturação da frota com otimização do custo pela incorporação de novos aviões com menores necessidades de manutenção e menos consumo de combustível; Eficiência operacional, promovendo iniciativas relativamente a combustível, catering, tripulação e distribuição; negociações com fornecedores; agilização do trabalho com implementação de medidas de produtividade para ajustar o trabalho às necessidades atuais da SATA.

Nesse sentido são propostas quatro medidas de redução temporal da remuneração em 10% e medidas de layoff onde e quando viável.

Rescisão negociada de trabalho, com reformas antecipadas e saídas voluntárias e uma redução negociada e faseada; transformação da operação com encerramentos dos operadores turísticos, a Azores Vacations America e a Azores Vacations Canada, na América do Norte e abertura subsidiárias; maior flexibilização das regras laborais com renegociação de diminuir a contratação sazonal.

Medidas que o Conselho de Administração acredita promoverem receitas só na Azores Airlines na ordem dos 252 milhões de euros em 2025. Já a previsão para 2021 ficará abaixo de 2019, assim sendo, em 2021 as receitas previstas são de 108 milhões.

No grupo SATA, as receitas previstas são de 198 milhões de euros em 2021 havendo progressos ate 2025, ano em que o grupo prevê atingir os 363 milhões de euros em receitas.

RTP Açores/RL Açores

Deixe uma resposta