Home / Destaque / Lancha Senhora de Fátima regressa às origens em Maio de 2016 após 3 anos retida no Pico (c/áudio)
Lancha Senhora de Fátima regressa às origens em Maio de 2016 após 3 anos retida no Pico (c/áudio)

Lancha Senhora de Fátima regressa às origens em Maio de 2016 após 3 anos retida no Pico (c/áudio)

 

Maio de 2016 é a data apontada para que a Lancha Senhora de Fátima regresse ao seu porto de origem, nas Velas de São Jorge.

Após cerca de 3 anos retida na ilha do Pico devido a incumprimentos financeiros por parte do Clube Naval das Velas para com um estaleiro privado, eis que finalmente houve uma decisão final.

É um regresso às origens de uma lancha com tanto valor para São Jorge. A Lancha será entregue ao Clube Naval, mas será a Câmara Municipal das Velas que ficará responsável pela sua manutenção, como confirmou Manuel Costa, presidente da Comissão Consultiva do Património Baleeiro.

A decisão que ficou assente na última reunião da Comissão Consultiva do Património Baleeiro gerou ainda o assumir de responsabilidades por parte do Clube Naval das Velas, avançou Manuel Costa.

Quanto às más práticas da parte do Clube Naval, Manuel Costa prefere deixá-las no passado, considerando que esta foi uma boa resposta da ilha de São Jorge, uma ilha com grande tradição baleeira a par das vizinhas ilhas do Pico e Faial.

Já o Clube Naval das Velas, com uma direção renovada, aprecia a iniciativa do Município, acreditando que esta decisão é também um género de voto de confiança por parte da Direção Regional da Cultura, que é quem tutela o património baleeiro, e da própria Comissão Consultiva do Património.

João Fontes, o novo presidente do Clube, garante que a divida aos estaleiros que fazia com que a lancha continuasse retida no Pico está a ser liquidaa com muito esforço, mas com responsabilidade.

O agora responsável pelo Clube Naval das Velas admite que é intenção desta direção preservar mais e melhor o património baleeiro e retomar com maior frequência as atividades náuticas, como a Vela, por exemplo.

Por seu turno, Luís Silveira, em entrevista recente à RL Açores, contou que participou nesta reunião da Comissão Consultiva a convite do Diretor Regional da Cultura, que é quem tutela o Património Baleeiro na região.

Um convite que o próprio autarca solicitou e a partir do qual pôde assumir a posição do Município e a sua intenção em trazer para a ilha a Lancha Senhora de Fátima.

O autarca reforçou ainda a importância desta lancha para São Jorge.

Com a chegada então da Lancha Senhora de Fátima em 2016, a ilha ficará então dotada de 3 botes baleeiros, tendo em conta que existe agora um na zona do Topo.

Liliana Andrade/RL Açores

Fotografia: ©Direitos Reservados

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top