Luís Cabral destaca “contribuição das novas tecnologias” para melhorar o desempenho da Proteção Civil nos Açores

O Secretário Regional da Saúde destacou hoje, na Ribeira Grande, a capacidade de acompanhamento e de resposta do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA), que é “cada vez mais adequada” em caso de catástrofe, o que reflete o investimento que tem sido feito em novas tecnologias.

Luís Cabral, que falava à margem do Exercício Touro152, organizado pelo SRPCBA em parceria com os Serviços Municipais de Proteção Civil da ilha de S. Miguel, destacou os benefícios da transmissão de imagem em tempo real, hoje testada na ilha de São Miguel no âmbito deste exercício.

“Podemos observar no exercício a transmissão de imagem em tempo real de cinco cenários que estão a decorrer em simultâneo, o que permite a quem está no Centro de Comando ter acesso a toda a informação do local e, com isso, tomar decisões mais apropriadas”, frisou o Secretário Regional.

Luís Cabral, que tem a tutela da Proteção Civil, salientou que estes sistemas tecnológicos já estão implementados nas várias corporações de bombeiros dos Açores.

“Desde o início deste ano que temos vindo a dotar com ‘tablets’ as ambulâncias e os carros de comando de cada uma das corporações da Região, para que possam fazer o registo das ocorrências de forma digital e assim transmitir a informação para o médico regulador e para o hospital”, acrescentou.

O Secretário Regional referiu ainda que o registo dessas imagens pode servir para uma “posterior avaliação com os próprios profissionais”, permitindo analisar os erros ou falhas e, consequentemente, “melhorar a sua atuação no terreno”.

O Exercício Touro152, que decorre até sexta-feira, tem como principal objetivo treinar a estrutura operacional das diferentes entidades com responsabilidade em matéria de Proteção Civil, tendo por base os princípios do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS) e no âmbito de uma intervenção em caso de situações meteorológicas adversas.

“Para que pudessem ser envolvidas todas as autarquias, tivemos que desenhar um exercício que pudesse ser transversal a toda a ilha, pelo que a escolha incidiu pela passagem de uma tempestade tropical, designada ‘Laurinda'”, salientou o Secretário Regional.

Neste cenário, a tempestade tropical vai “gerar pequenos incidentes típicos destas ocorrências, nomeadamente enxurradas, deslizamentos de terra, cheias e desabamentos de terra nas estradas”, de forma a que cada uma das câmaras municipais da ilha de S. Miguel “responda de acordo com aquilo que está previsto no seu Plano de Emergência Municipal”.

Luís Cabral enalteceu ainda o empenho neste exercício demonstrado pelo SRPCBA e pelas autarquias envolvidas.

GaCS/RL Açores

 

Deixe uma resposta