Luís Neto Viveiros considera que a marca ‘Reserva da Biosfera’ é uma forma de colocar “os Açores no mundo”

O Secretário Regional da Agricultura e Ambiente afirmou esta segunda-feira, na Horta, na sessão de boas vindas aos participantes do XII Encontro Internacional da REDBIOS, que a marca ‘Reserva da Biosfera’, já atribuída a três ilhas do arquipélago, constitui uma “forma diferente de pôr os Açores no mundo”.

“O estabelecimento desta marca é um contributo muito importante não só para a valorização dos nossos produtos que, com este selo, obtêm no mercado mais-valias muito significativas, mas também é uma forma diferente, uma forma distinta, de pôr os Açores no Mundo”, afirmou Luís Neto Viveiros, em declarações aos jornalistas.

Para Luís Neto Viveiros, a atribuição do estatuto de Reserva da Biosfera, “além de publicitar os Açores”, representa também “uma garantia de que aqui são preservados valores ambientais, valores de preservação da natureza e valores culturais que hoje em dia fazem parte dos destinos turísticos mais importantes”.

O Secretário Regional considerou “fundamental” o envolvimento das comunidades das ilhas classificadas como Reserva da Biosfera, nomeadamente o Corvo, as Flores e a Graciosa.

Nesse sentido, salientou que, apesar dessa classificação já ter dado “alguns frutos”, uma vez que nas três ilhas que possuem o estatuto de Reserva da Biosfera já existem produtos e marcas que usam esse símbolo, “não podemos ficar por aí”.

“É uma potencialidade que as empresas, as associações, as cooperativas e a população em geral têm de aproveitar, em cada uma das ilhas que já obteve esse galardão, em prol do seu desenvolvimento e da sua prosperidade”, frisou Luís Neto Viveiros.

Relativamente a outros locais ou ilhas que possam ser candidatáveis a este estatuto atribuído pela UNESCO, para além das Fajãs de S. Jorge, o Secretário Regional admitiu que “haverá certamente”, mas frisou que o Governo dos Açores “pretende dar passos certos e seguros e entende que as Fajãs de S. Jorge são o próximo passo”.

Nesse sentido, salientou que será aproveitada “esta visita das regiões e países que estão envolvidos nesta rede para, no próprio local, poderem apreciar as suas caraterísticas e ajudarem a formalizar esta candidatura para que tenha sucesso”, afirmou.

Na cerimónia de boas-vindas, realizada no Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, o Secretário Regional destacou as características “muito próprias” do ponto de vista ambiental,  mas também da biodiversidade e da conservação da natureza, assim como os “aspetos culturais das nossas gentes”, que “se coadunam com esse espírito da REDBIOS”.

O Programa MAB – o Homem e a Biosfera (The Man and the Biosphere Programme), criado em 1971, é um programa de cooperação científica internacional sobre as interações entre o homem e seu meio, sendo as Reservas da Biosfera (RBs) a sua principal linha de ação.

 Estas reservas são zonas dos ecossistemas terrestres, costeiros e marinhos reconhecidas internacionalmente e concebidas para responder a um dos dilemas do mundo de hoje, nomeadamente saber como conciliar a conservação da Natureza com a procura de um desenvolvimento económico e social e a manutenção dos valores culturais associados.

A REDBIOS é uma rede temática de Reservas da Biosfera da UNESCO da África Ocidental e Macaronésia que pretende, através do intercâmbio de informação e experiências, fomentar o desenvolvimento sustentável das atividades económicas que têm lugar nas áreas de Reservas da Biosfera.

A XII Reunião da REDBIOS que decorre até sexta-feira nas ilhas de São Jorge, Pico e Faial, sob o tema ‘Reservas da Biosfera – Um contributo para o desenvolvimento local’, é uma organização conjunta da UNESCO e do Governo dos Açores.

GaCS/RL Açores

Deixe uma resposta