Passageiros estão a burlar o Governo Regional

O Governo Regional teve conhecimento de pessoas que compram viagens para os Açores e depois não as realizam. Tudo para, mesmo pagando a viagem, terem acesso ao teste PCR gratuito ao sarscov-2.

Face ao comprovativo do bilhete, o Governo Regional tem custeado o teste feito até 72 horas antes da viagem, num dos muitos laboratórios do Continente.

Havendo passagens baratas, o passageiro ainda pode lucrar com o esquema: os testes ao PCR são caros.

“Saem a 120 euros. Quando é para os Governos o valor é um pouco mais baixo, como há o acordo entre um laboratório privado e o Governo, creio que o valor desde para 60 ou 70 euros mas para o cidadão são 100 ou 102 euros.” Explica Gustavo Tato Borges, Presidente da Comissão Acompanhamento Luta Contra a Pandemia.

Posto isto, o Governo vai solicitar às transportadoras um levantamento dos passageiros que não compareceram à viagem tendo feito teste PCR com resultado negativo custeado pela região.

“Agora vamos confrontar estas listagens, as que as companhias aéreas nos enviarem, para perceber quantas situações há, o porquê do abuso e vamos perceber se há razões para isto. Depois ou as pessoas terão que pagar ao laboratório ou à Região o valor. Eu imagino que haja um número na casa das centenas ou dos milhares de casos destes géneros.”

Por sua vez, Gustavo Tato Borges diz que não sabe se a situação poderá ser considerada crime.

“Isso é algo que vai ter que ser avaliado pelos juristas associados à Direção Regional e ao Governo que terá que tomar uma posição de qual é o enquadramento legal que isto se afigura. Se é crime ou burla e que consequências poderá trazer.”

O Presidente da Comissão de Acompanhamento da Pandemia dos Açores estima que talvez em duas ou três semanas o Governo possa ter acesso à informação solicitada as companhias.

RTPAçores/RLAçores

 

Deixe uma resposta