PCP acusa Governo Regional de deixar porto do Topo às escuras

 

O Deputado do PCP Aníbal Pires apresentou hoje um requerimento questionando o Governo Regional sobre a avaria na iluminação do porto do Topo, que dura há cerca de dois meses, sem que se saiba ainda quando será reparada.

Depois de uma avaria da grua, que trouxe graves dificuldades à varagem e saída de embarcações e que só recentemente foi solucionada, “é agora a avaria de pelo menos dois dos quatro projectores existentes que deixa o porto do Topo virtualmente às escuras, colocando sérias dificuldades aos pescadores e utentes do porto e podendo até pôr em risco a sua segurança”.

“Continuando os habitantes da Vila da Topo à espera que se iniciem as obras de ampliação e beneficiação do seu porto, prometidas e reprometidas há tantos anos, não há justificação para que não seja assegurado o mínimo em termos de conservação da infraestrutura e dos seus equipamentos”, lamentou o comunista.

De acordo com Aníbal Pires, “o porto do Topo é indispensável para o desenvolvimento desta Freguesia e da própria ilha de São Jorge, podendo ser essencial para a dinamização das actividades económicas, da pesca e do turismo, contribuindo para a geração de riqueza e criação de emprego, bem como para minorar o isolamento a que esta zona da ilha de São Jorge está, infelizmente, sujeita”.

A sua beneficiação e ampliação, pela qual o PCP se tem batido firmemente, tendo apresentado por diversas vezes propostas nesse sentido, “é um passo essencial para o desenvolvimento local, mas também para melhorar a interligação entre as ilhas do Grupo Central. Essa obra, que se espera que possa iniciar-se brevemente e decorrer de forma célere, não pode ser justificação para comprometer a operacionalidade do porto no presente”.

O PCP pretende saber o que justifica a demora e para quando se prevê a reparação da iluminação do porto, bem como o ponto de situação e prazos previstos para o de melhoria das condições de operacionalidade e segurança do porto do Topo.

GI PCP Açores/RL Açores

Deixe uma resposta