“Posição do CDS-PP sobre companhias low cost na Terceira só pode ser brincadeira de Carnaval”, considerou Berto Messias

O Presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores considerou, esta quinta-feira, que a posição do CDS-PP sobre o processo da vinda de companhias low cost para a ilha Terceira “só pode ser uma brincadeira de carnaval”.

Berto Messias salientou que “se hoje não temos low cost a voar para a ilha Terceira é porque o anterior governo do PSD e do CDS-PP vetou essa possibilidade, quando uma das companhias low cost solicitou voar para a ilha Terceira”.

“Todos se recordam que quer o CDS-PP quer o PSD/Açores vieram anunciar que haveria low cost para a ilha Terceira, protagonizando até situações que, da nossa perspetiva, são um pouco ridículas. Todos se recordam, por exemplo, do Presidente do CDS-PP ter dito que o Ministro de então, Pires de Lima, teria garantido que haveria companhias aéreas low cost na ilha Terceira, quando passado duas semanas todos viemos a perceber que isso não aconteceria. Ou todos se recordam do deputado Duarte Freitas ter anunciado a entrada das low cost na Terceira, algo que o seu governo na República nunca concretizou”, lembrou o Presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Berto Messias destacou que “o Governo dos Açores e o Secretário Regional do Turismo e Transportes levado sempre a cabo, nesta matéria, um trabalho muito claro e transparente, nunca criando expectativas erradas nas pessoas e desenvolvendo um conjunto de contatos com algumas companhias aéreas low cost, na perspetiva de aproveitar as infraestruturas existentes e de potenciar o mercado turístico da ilha Terceira”.

O líder parlamentar socialista frisou que “da parte do Governo dos Açores, esse trabalho foi feito e continua a ser feito de forma muito clara e transparente, muito séria e responsável e não com estas jogadas político-partidárias que o CDS-PP agora protagoniza e que também o PSD/Açores protagonizou”.

Para Berto Messias, “este é um assunto muito sério e não podemos estar a brincar com as expectativas dos Terceirenses, dos Açorianos, e tentar vir agora reescrever a história, como procurou fazer o CDS-PP nesta questão”.

“A utilização de requerimentos e das regras do parlamento Açoriano para solicitar esclarecimentos é obviamente legítima e todos os partidos devem fazer aquilo que muito bem entenderem. Mas exige-se um mínimo de seriedade na abordagem destes assuntos e esta conferência de imprensa do CDS-PP e o seu teor não é minimamente séria, nem tem em conta os dados concretos e verdadeiros daquilo que tem acontecido neste assunto”, lamentou Berto Messias.

GI PS Açores/RL Açores

Deixe uma resposta