Presidente da SATA é “actor político” e será novamente chamado a Comissão de Inquérito, garante CDS-PP

O Presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores, Artur Lima, lamentou, esta quinta-feira, a postura assumida pelo Presidente da SATA na comissão parlamentar de inquérito à transportadora aérea regional, acusando-o de ter “faltado à verdade” e de “fugir às perguntas que lhe foram colocadas”, anunciando que “vai exercer o seu direito potestativo e voltar a chamar à comissão de inquérito o Dr. Luís Parreirão”.

Num comunicado assinado por si, em nome da Bancada Parlamentar popular, Artur Lima “lamenta a postura assumida, em sede de Comissão Parlamentar de Inquérito ao Grupo SATA, pelo Presidente do Conselho de Administração da empresa”, dizendo que “a prestação do Dr. Luís Parreirão acabou por ser a de um actor político cujo seu palco político é o cargo que ocupa na Administração de um dos activos mais valiosos da Região”.

“O Presidente da SATA foi astuto ao fugir às perguntas que lhe foram sendo colocadas, principalmente pelos Deputados do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores, respondendo com evasivas e, nalguns casos, faltando inclusivamente à verdade. O Dr. Luís Parreirão não respondeu às questões que lhe foram colocadas pelo CDS-PP sobre a idade dos aviões A330 que a empresa pondera adquirir para efeitos de substituição da frota de longo curso da SATA Internacional, escudando-se num hipotético dever de sigilo profissional; O Dr. Luís Parreirão escusou-se a responder às questões relativas à eventual perda da prestação de serviços de handling da SATA à TAP na Aerogare Civil do Aeroporto das Lajes, bem como não revelou quais os preços praticados pelos serviços de assistência em terra nesta escala; O Dr. Luís Parreirão, como já se percebeu por outras audições que entretanto foram realizadas pela comissão parlamentar, faltou à verdade relativamente aos verdadeiros números da divida e do passivo da empresa”, escreve Artur Lima.

O Líder Parlamentar democrata-cristão afirma, por outro lado, que “o Presidente do Conselho de Administração do Grupo SATA parece que se esqueceu que estava perante uma comissão parlamentar de inquérito e que tem o dever de respeitar igualmente todos os Deputados eleitos à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, de todos os partidos nela representados, não apenas alguns”.

Assim, Lima considera que “a postura, as evasivas, a falta de esclarecimentos cabais e as dúvidas que foram suscitadas entre o que o Presidente do Conselho de Administração do Grupo SATA disse ou não disse com total exactidão”, obriga o Grupo Parlamentar do CDS-PP a “exercer o seu direito potestativo e voltar a chamar para prestar mais esclarecimentos em sede de comissão parlamentar de inquérito, o Dr. Luís Parreirão”.

Apesar das críticas provocadas por “certas atitudes, a todos os níveis, lamentáveis”, os populares açorianos registam que “num aspecto, em concreto, o Dr. Luís Parreirão dá razão ao CDS-PP: a actual frota de DASH Q400 adquirida para a SATA Air Açores é ociosa e foi excessiva pelo que obriga, neste momento, à alienação de, pelos menos, um dos quatro aviões ao serviço da transportadora aérea regional”.

GI CDS-PP Açores/RL Açores

Deixe uma resposta