Presidente do Triângulo dos Açores defende ligação marítima Velas – São Roque

O Presidente da Associação de Municípios do Triângulo dos Açores (AMT), Roberto Silva, defendeu no programa “Jornal da Ilha”, da autoria do Professor José Manuel Caldeira, transmitido pela Rádio Cais, Rádio Pico e Rádio Montanha, a existência de uma ligação marítima dedicada entre as Velas de São Jorge e São Roque do Pico, da mesma forma que acontece entre a Madalena e a Horta.

As ligações marítimas regulares entre o Pico e São Jorge, que vão exigir um estudo quanto à embarcação a fazer as viagens e ao número de ligações diárias, irão aproximar, ainda com melhores resultados, as ilhas de São Jorge, Pico e Faial que compõem o Triângulo dos Açores.

O Presidente da AMT defendeu, ainda, a aplicação de um sistema de transportes públicos integrado que se inicia no porto das Velas para o porto de São Roque, depois deste para o aeroporto do Pico, porto da Madalena, porto da Horta e aeroporto do Faial, potenciando o uso das duas gateways do Triângulo por todos os Jorgenses, Picoenses e Faialenses que enquanto cidadãos do Triângulo podem ser chamados de “Triangulenses”.

Na mesma entrevista, Roberto Silva destacou os benefícios da ligação marítima dedicada São Roque- Velas, no âmbito dos cuidados de saúde dos Jorgenses, a partir da necessidade urgente de instalar um verdadeiro serviço de urgência na ilha do Pico, inexistente na segunda maior ilha dos Açores, já proposto ao Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro.

A ligação marítima dedicada Velas-São Roque permitirá, por outra parte, o desenvolvimento das empresas que trabalham, ou passarão a trabalhar, nas três ilhas do Triângulo dos Açores, facilitando as trocas comerciais e a prestação de serviços, fomentará a dinamização da oferta educativa no ensino técnico-profissional nas escolas profissionais de São Jorge, do Pico e do Faial e promoverá o turismo naquele que é o território dos Açores mais atrativo como destino turístico depois de São Miguel.

O novo Governo dos Açores tem a responsabilidade de percecionar a importância do Triângulo dos Açores no contexto da Região e de executar investimentos absolutamente essenciais para a aproximação das três ilhas e para a melhoria da qualidade de vida dos “Triangulenses”, com o grande objetivo de desenvolver as três ilhas como se fossem uma.

Neste sentido, aproveitando o dinheiro do novo quadro financeiro da União Europeia e do Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal, é decisivo investir no Triângulo dos Açores, na melhoria dos cuidados de saúde, com a construção de novos centros de saúde nas Velas e nas Lajes do Pico e a instalação indispensável de um Serviço de Urgência no Pico (tal como a abertura absolutamente urgente do Serviço de Atendimento Permanente 24 horas nas Lajes e em São Roque), na beneficiação das acessibilidades marítimas, requalificando o porto comercial do Pico, e nas acessibilidades aéreas, ampliando os aeroportos do Pico e do Faial e aumentando o número de ligações aéreas entre o Pico, o Faial e Lisboa.

Esta década beneficia de uma oportunidade única para afirmar o Triângulo dos Açores no contexto da Região, seguindo a lógica sempre proclamada, mas raramente aplicada, do  desenvolvimento harmonioso dos Açores.

Os “Triangulenses” esperam por uma nova perceção do novo Governo e por uma renovada estratégia de desenvolvimento, que passa pela vontade, pelo respeito, pela humildade e pela coragem política de executar os novos investimentos reclamados no Triângulo dos Açores.

Fotografia: Rádio Lumena

AMT/RL Açores

Deixe uma resposta