Prioridade para o Serviço Regional de Saúde passa por apostar na medicina preventiva, considera Aníbal Pires (c/áudio)

“Que estratégia para o Serviço Regional de Saúde?” foi a intervenção que abriu o segundo dia de trabalhos parlamentares na Assembleia Legislativa Regional por parte da representação parlamentar do PCP.

De acordo com Aníbal Pires “existem problemas sérios e urgentes, reconhecidos por todas as forças políticas e setores sociais”.

Em declarações à RL Açores, Aníbal Pires afirmou que a prioridade máxima para o serviço regional de saúde é a necessidade de se apostar na medicina preventiva, salientando que “custa menos ter uma população saudável do que doente”.
“A prioridade das prioridades para o Serviço Regional de saúde e que penso que é reconhecido quer pela bancada que dá suporte político e parlamentar ao Governo quer por todas as bancadas da oposição, ainda com algumas variantes, é a necessidade de se apostar em definitivo nos cuidados de saúde primários, na medicina preventiva”, frisou o deputado regional.

O deputado do PCP frisou que “o Serviço Regional de Saúde tem de ser um serviço de proximidade”, tendo de estar “o mais perto possível das populações”, uma vez que a condição geográfica das ilhas do arquipélago “assim o obriga”.

“É evidente que isso terá de ser sempre complementado com outras estruturas, nomeadamente ao nível da evacuação, mas também do transporte de doentes, para os quais é preciso melhorar os apoios”.

Aníbal Pires referiu ainda a elevada divida do Serviço Regional de Saúde que levou a que “a saúde ficasse assim subfinanciada”.
Já o Secretário Regional da Saúde, sob muitas críticas por parte dos deputados da oposição, felicitou o PCP por esta interpelação, porque de acordo com Luís Cabral “acontece num momento de viragem do Serviço Regional de Saúde”.

O titular da pasta da saúde frisou que esta viragem é também concretizada “num conjunto de medidas que permitirão resolver muitos dos problemas que até agora nos inquietaram, como as listas de espera cirúrgicas, o acesso a consultas de medicina geral ou os cuidados continuados integrados”.

Luís Cabral apresentou ainda alguns dados estatísticos que pareceram continuar a não convencer a oposição que manifestou as suas críticas enquanto o secretário falava.

De acordo com o Secretário Regional da Saúde está a conseguir-se “um Serviço Regional de Saúde com uma melhor resposta, com mais políticas de apoio social aos Açorianos, honrando ao mesmo tempo a Autonomia”.

Liliana Andrade/RL Açores

 

Deixe uma resposta