Programa do Governo quer saúde e transportes mais acessíveis aos Açorianos

A importância da saúde e dos transportes para a vida dos Açorianos é irrefutável para o Partido Socialista. Neste sentido, a bancada do Grupo Parlamentar defendeu, no parlamento regional, que estas são duas áreas a que todos devem ter um acesso facilitado.

No âmbito do debate do Programa do Governo, o deputado Dionísio Faria e Maia destacou, ao nível da saúde, a meta para 2018 de se obter “uma cobertura total da população por médicos de Medicina Geral e Familiar”.

“Uma cobertura assistencial de proximidade e referenciação, diminuindo o hospitalocentrismo, apostando na qualificação e certificação destes serviços, é outra meta deste programa com que concordamos em absoluto”, adiantou o parlamentar.

Por outro lado, Dionísio Faria e Maia considerou que a consolidação das parcerias com unidades de saúde privadas é uma boa medida no sentido de garantir “complementaridade, racionalização de recursos e eficiência ao sistema”.

A Telemedicina foi um dos temas que motivou discussão com Domingos Cunha, deputado socialista, a valorizar as experiências pioneiras que têm decorrido nos Açores e que já permitiram salvar vidas.

No debate do Programa do Governo estiveram ainda em discussão os transportes, com o vice-presidente do Grupo Parlamentar, José Ávila, a defender que estes são fundamentais para o “desenvolvimento harmonioso dos Açores e para o reforço da coesão económica e social”.

Nesta matéria, o deputado socialista salientou que nos próximos quatro anos o “Grupo Sata manterá o serviço de qualidade aos Açorianos, prosseguindo com a captação de fluxos para garantir a sustentabilidade do turismo, como aconteceu com a rota da América do Norte”.

“Este programa prevê também o lançamento de novo concurso público internacional para a construção de dois navios com condições para operar durante todo o ano nos portos dos Açores, dedicado ao transporte de passageiros, viaturas e carga rodada, concluído que esteja o processo em curso nas instâncias comunitárias.Esta é uma medida verdadeiramente estruturante que alterará o paradigma do transporte marítimo e que estimulará o mercado interno e a mobilidade dos Açorianos”, afirmou o deputado, acrescentando a importância que terá a criação, no transporte marítimo, da tarifa de residente.

Segundo Miguel Costa, quer o transporte aéreo quer o transporte marítimo têm ganho a “confiança dos Açorianos pela sua qualidade, fiabilidade, conforto e segurança, contribuindo de uma forma essencial para o desenvolvimento económico e social do arquipélago e para a coesão social”.

GI PS Açores/RL Açores

Deixe uma resposta