Home / Destaque / “Quem deve presidir à Assembleia Municipal das Velas?” Cabeças de lista eleitos respondem à questão do momento (c/áudio)
“Quem deve presidir à Assembleia Municipal das Velas?” Cabeças de lista eleitos respondem à questão do momento (c/áudio)

“Quem deve presidir à Assembleia Municipal das Velas?” Cabeças de lista eleitos respondem à questão do momento (c/áudio)

“Quem deve presidir à Assembleia Municipal das Velas?” – É a pergunta que se impõe neste momento. Uma questão que surge no pós resultados eleitorais em que PS e CDS-PP elegeram ambos seis mandatos, PSD dois mandatos e um mandato para a CDU.

Ora, o PS acaba por ser o partido vencedor, ao conquistar 1377 votos. No entanto, o CDS-PP com 1187 votos elege igualmente seis mandatos e faz valer-se das quatro juntas de freguesia conquistadas, cujos presidentes têm assento na Assembleia Municipal e direito a voto na constituição da mesa da Assembleia.

Ora, neste momento existem vários cenários possíveis: a presidência de João Estrela Maciel, pelo CDS-PP, devido ao maior número de mandatos quando somado com as juntas de freguesia (6+4=10 mandatos); ou a presidência do PS, por Isabel Teixeira, pesando o facto de ser a lista mais votada ou então através da celebração de acordos com os outros dois partidos com presença na Assembleia Municipal (PSD e CDU), formando uma espécie de “geringonça”.

Traduzindo em números, o PS com 6 mandatos e mais uma Junta de Freguesia ficava com 7 mandatos, somando mais três do PSD, com 2 mandatos e uma junta de freguesia, e ainda um mandato da CDU, que tudo somado no final daria 11 mandatos, conseguindo, assim, mais do que o CDS-PP.

A RL Açores falou com os cabeças de lista eleitos para saber a opinião dos mesmos sobre este assunto, opiniões, essas, que são bastante divergentes e que deixam antever uma constituição complicada da mesa da Assembleia Municipal das Velas.

João Estrela Maciel, do CDS-PP, considera que dever ser o partido com mais deputados municipais a presidir à Assembleia, neste caso o CDS-PP.

O cabeça de lista do CDS-PP não quer antecipar o que poderá acontecer, dizendo que não pode falar pelos outros partidos.

Já Isabel Teixeira não compreende porque é que este ano se está a gerar tanta controvérsia, falando mesmo em “sede de poder”.

A cabeça de lista do PS, que foi o partido mais votado na eleição para a Assembleia Municipal, considera que o CDS-PP só terá legitimidade para constituir mesa se arranjar um aliado, mas não responde para já à questão se o Partido Socialista está disponível para celebrar acordos para que possa então presidir à Assembleia.

À data de gravação desta entrevista, António Machado, o cabeça de lista eleito pela CDU para a Assembleia Municipal, disse que o seu partido ainda não tinha sido contactado por ninguém no sentido de celebrar algum acordo, garantindo que a tomar a decisão de apoiar algum dos partidos terá de ser algo conversado com o coletivo da CDU.

Quanto a quem deve presidir à Assembleia Municipal, António Machado diz que a CDU está disponível para ouvir principalmente PS e CDS por terem mais expressão nesta eleição, mas diz que é preciso ter em conta que o PS ganhou estas eleições e apresenta como cabeça de lista Isabel Teixeira que era a Presidente da mesa da Assembleia cessante.

A RL Açores conseguiu já obter uma reação junto do PSD. Ana Paula Silva considera que “quem tem o maior número de votos é o vencedor”, mas que neste caso, como é aplicado o método de Hondt, prevalecerá o maior número de mandatos atribuídos a cada partido.

A cabeça de lista eleita diz que o PSD já reuniu e garante que pondera apresentar uma proposta, sendo que está disponível também para ouvir as propostas que surgirem dizendo que o apoiar PS ou CDS-PP irá depender das propostas apresentadas.

Liliana Andrade/RL Açores

About admin

Leave a Reply

Scroll To Top