Redução da pesca do goraz pode pôr em causa a atividade piscatória nos Açores (c/áudio)

O Secretário regional do Mar, Ciência e Tecnologia considerou excessivo o corte proposto para a pesca do goraz nos Açores. A proposta apresentada pela Comissão europeia aponta para uma redução de 34% da pesca do goraz na região em 2015 e um corte idêntico em 2016, o que também não deixou nada satisfeito o presidente da Associação de Pescadores da Ilha de São Jorge (APISJ).

Contactado pela RL Açores, António Laureno afirmou que se esta redução da pesca do goraz se confirmar a solução é mesmo “enterrar as pescas nos Açores”, dada a importância da captura deste peixe e tendo em conta os cortes já efetuados no ano anterior.

“Se houver, de facto, o corte que está previsto pela União Europeia, a solução é enterrar as pescas nos Açores. Não temos qualquer hipótese de sobrevivência, porque é uma espécie com um valor considerável na pesca dos Açores, uma espécie que tem um valor muito bom praticamente durante todo o ano e se isto se vier a concretizar será o enterro das pescas nos Açores”, frisou o presidente da APISJ.

De acordo com António Laureno, “já se está a sobreviver mal com as regras que estão a ser impostas”, sendo que “se vier mais essa regra é para acabar com a pesca nos Açores”.

O presidente da Associação de Pescadores diz mesmo que já têm poucos jovens a trabalhar na pesca e que se isto for em frente, o mais certo é ficarem mesmo sem jovens nesta prática.

Quanto à pesca em termos de captura em São Jorge, António Laureno frisou que o primeiro semestre de 2014 foi um pouco superior ao de 2013, uma vez que “as capturas foram muito razoáveis, os preços apesar de não serem os ideais, foram razoavelmente bons e os ganhos estão acima do primeiro semestre do ano passado”, esperando agora o desenrolar do outono e inverno, a ver se são estações favoráveis para a pesca.

Liliana Andrade/RL Açores

Deixe uma resposta