Registo com dados de 15 anos consecutivos valoriza trabalho do Centro de Oncologia dos Açores
(c) Gacs
(c) Gacs

O Secretário Regional da Saúde afirmou que o Registo Oncológico dos Açores apresentado, esta quinta-feira, é um trabalho de grande alcance como “abordagem fundamental para o conhecimento da doença”, elogiando o Centro de Oncologia dos Açores (COA) pelo trabalho que tem desenvolvido nesta área.

Luís Cabral, na cerimónia de apresentação do registo relativo ao período entre 2007 e 2011.

O Registo Oncológico dos Açores é publicado desde 2000, pelo que a Região passa agora a dispor de 15 anos consecutivos de dados que podem ser muito úteis em termos de conhecimento da doença.

Este registo foi publicado pela primeira vez em 2008, envolvendo o triénio 2000-2002, tendo sido depois publicados em 2011 os dados relativos ao período de 1997 a 2006 e hoje os que se referem ao período 2007-2011.

Para Luís Cabral, a existência destes dados “coloca os Açores entre as regiões do país onde o Registo Oncológico se apresenta mais avançado”.

O Centro de Oncologia dos Açores desenvolve também uma atividade importante no que se refere a rastreios, tendo realizado em cinco anos cerca de 55 mil rastreios do cancro da mama e 24 mil citologias no rastreio do cancro do colo do útero.

O Secretário Regional da Saúde anunciou que está a ser preparado, em conjunto com as várias unidades de saúde, o rastreio do cancro colo-retal, para o que existe uma verba de 120 mil euros no Plano para 2014.

O Secretário Regional da Saúde deixou ainda um desafio ao Centro de Oncologia dos Açores para que, “em colaboração com a Direção Regional da Saúde, desenvolva programas eficazes de prevenção do tabagismo”, de modo a diminuir a incidência do cancro do pulmão que, segundo os dados hoje apresentados, é bastante elevada nos Açores.

O Centro de Oncologia dos Açores está trabalhar também num estudo, que será apresentado em 2014, relacionado com a sobrevivência, ou seja, com os casos de êxito, que constituirão um importante indicador científico, mas também um elemento incentivador de uma vigilância ativa e uma procura permanente de estilos de vida saudáveis que são comprovadamente a melhor prevenção das doenças oncológicas.

GaCS

Deixe uma resposta