Rui Luís destaca trabalho multidisciplinar das equipas do Programa Regional de Intervenção Precoce

O Secretário Regional da Saúde salientou hoje o trabalho desenvolvido pelas equipas de intervenção precoce, nomeadamente nas repercussões que terá, a longo prazo, no sucesso escolar, no emprego, na delinquência e nos problemas socioeconómicos.

“São cerca de 120 técnicos envolvidos neste projeto, um bom exemplo de trabalho em equipa e trabalho multidisciplinar, que espelha a articulação e corresponsabilização entre os setores da saúde, solidariedade social e educação”, frisou Rui Luís, na abertura das III Jornadas de Intervenção Precoce, que decorrem até terça-feira na Ribeira Grande, numa iniciativa da Unidade de Saúde de Ilha de São Miguel.

Na sua intervenção, Rui Luís defendeu a urgência de se refletir sobre esta temática e de “consciencializar e responsabilizar” a comunidade.

“Qualquer intervenção no âmbito do Programa Regional de Intervenção Precoce deverá ser centrada na família, mesmo quando se torna necessária uma intervenção centrada na criança”, afirmou.

A intervenção precoce está regulamentada na Região desde 2012, tendo o programa acompanhado 181 crianças em 2015 e cerca de duas centenas em 2016.

À margem do encontro, questionado pelos jornalistas sobre a deslocação de médicos, o titular da pasta da Saúde assegurou que o programa de deslocação de especialistas às ilhas sem hospital se mantém em vigor.

“O programa não está suspenso”, frisou, salientando que a confusão que surgiu resulta de declarações de Isabel Cássio, presidente do Conselho Médico dos Açores da Ordem dos Médicos.

“Penso que ela queria referir-se à anterior portaria, que terá sido suspensa em favor de outra”, afirmou Rui Luís, acrescentando que espera apresentar, em breve, a nova proposta para a deslocação de especialistas.

Para o Secretário Regional, “o novo modelo vai potenciar esta deslocação, com alterações que passam por questões organizativas e financeiras”.

“Da nossa parte, não queremos colocar qualquer suspeição sobre ninguém, o que queremos é que exista, de facto, um sistema de deslocação às ilhas sem hospital, que seja eficaz e no qual as pessoas possam ter acesso aos cuidados de saúde”, afirmou Rui Luís.

GaCS/RL Açores

Deixe uma resposta