SOS Cagarro 2018 permitiu salvar cerca de 4.780 juvenis nos Açores

O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia anunciou hoje, em Vila Franca do Campo, que, no âmbito da campanha SOS Cagarro 2018, que terminou quinta-feira, foram salvas cerca de 4.780 aves, salvaguardando que estes são ainda números preliminares.

Segundo Gui Menezes, desde o início desta iniciativa, em 1995, este é o quarto ano com o maior registo de quedas de cagarros juvenis no arquipélago.

O Secretário Regional, que falava no Clube Naval de Vila Franca, à margem da sessão de encerramento do SOS Cagarro, no Dia Nacional do Mar, lembrou que esta é a maior campanha de conservação da natureza e de educação ambiental do país, que se realiza consecutivamente há quase 25 anos, envolvendo centenas de cidadãos e dezenas de entidades em toda a Região.

Neste sentido, pela primeira vez, este ano foram atribuídos os galardões Cagarro D’ouro para distinguir os cidadãos e entidades que mais contribuem para o salvamento destas aves marinhas.

Gui Menezes referiu que “esta homenagem simbólica pretende agradecer o empenho e dedicação nesta campanha”, sendo que este ano serão atribuídos 24 prémios a entidades parceiras da campanha, a cidadãos ou grupos de cidadãos voluntários, a organizações não governamentais e a entidades privadas.

Na ilha de São Miguel, a PSP, a Associação Amigos dos Açores, a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e Luís Noronha Botelho, que este ano salvou 85 cagarros, foram os homenageados.

O Secretário Regional destacou ainda a importância de “salvaguardar e preservar” o ilhéu de Vila Franca, uma reserva natural, “enquanto santuário de aves marinhas nidificantes, como é o caso do cagarro”.

Neste sentido, valorizou as parcerias com entidades como o Clube Naval de Vila Franca do Campo e a SPEA para ações de conservação de habitats e espécies no ilhéu.

 

GaCS/RL Açores

 

Deixe uma resposta