Artur Lima anuncia que saídas de utentes das ERPI e Lares Residenciais voltam a ser permitidas

De acordo com circulares informativas da Direção Regional de Saúde, que implementam novas medidas orientadoras da atuação nas Estruturas Residenciais para Pessoas Idosos (ERPI) e nos Lares Residenciais, deixa de ser necessária, a partir de hoje, a realização de isolamento profilático de 14 dias, quando os utentes se ausentarem por razões médicas e regressarem ao lar, ou nos casos de novas admissões nestas respostas sociais, nos casos de pessoas que já se encontram vacinadas contra a covid-19.

Segundo Artur Lima, Vice-Presidente do Governo Regional dos Açores, “estas alterações decorrem de um trabalho próximo da Vice-Presidência do Governo com a Secretaria Regional da Saúde e com a Autoridade de Saúde Regional, através da Comissão Especial de Acompanhamento de Luta Contra a Pandemia por covid-19”.

“Através de uma cuidada avaliação da situação epidemiológica na Região Autónoma dos Açores, decidiu-se dispensar os utentes de ERPI e de Lares Residenciais da medida de isolamento até agora vigente, possibilitando ainda a realização de atividades lúdicas e recreativas e de passeios”, referiu, em conferência de imprensa tida hoje em Angra do Heroísmo.

Para o governante, estas alterações “permitem que os utentes possam retomar, progressivamente, as suas rotinas, sem descuidar a vertente de estimulação cognitiva e motora e o contacto com a sua comunidade, questões determinantes para o seu bem-estar e saúde”.

Nestas alterações são ainda abrangidas outras valências, como a resposta residencial (crianças e jovens em perigo, sem abrigo e vítimas de violência doméstica) que veem agora também melhor ajustadas as orientações de atuação em contexto de situação pandémica.

As novas orientações mantêm a indicação para a realização de teste de despiste da infeção para novas admissões em ERPI e Lar Residencial, bem como de controlo de sinais e sintomas da doença, designadamente, distanciamento físico, uso de máscara, cumprimento de etiqueta respiratória, correta e frequente higienização das mãos e equipamentos, e outras aplicáveis às respetivas áreas de atividade e que vão sendo disponibilizadas no site: https://destinoseguro.azores.gov.pt/.

“Respondendo também às necessidades das pessoas com deficiência e às pessoas idosas dependentes, bem como, às necessidades das suas famílias e cuidadores a quem importa apoiar, em especial, a retoma da sua vida profissional, amanhã, em reunião de Conselho de Governo, serão avaliadas e decididas as condições de retoma do funcionamento dos Centros de Atividades Ocupacionais e dos Centros de Dia, e respostas similares, de acordo com a classificação do nível de risco do concelho onde se situem”, afirmou ainda.

Para o estabelecimento destas medidas, lembrou Artur Lima, foram ouvidos os representantes das entidades que desenvolvem estas respostas na Região, nomeadamente o Presidente da União Regional das Misericórdias dos Açores (URMA), Bento Barcelos, e o Presidente da União Regional das Instituições Particulares de Solidariedade Social (URIPSSA), João Canedo.

No final da conferência de imprensa, o Vice-Presidente apelou ao “envolvimento das pessoas” para que estas medidas sejam implementadas.

“Isto não se consegue sem o esforço coletivo e sem a colaboração de cada um (…). Peço encarecidamente a todos os Açorianos, a vossa colaboração genuína e determinada porque só assim é que é possível manter a saúde de todos e devolver a vida em comunidade a quem tem estado, até agora, por força da pandemia, privado dela. É uma ajuda que peço em nome do Governo dos Açores”, concluiu.

GACS/RL Açores

Deixe uma resposta