CDS-PP quer POSEI diferenciado para horto-fruti-floricultores

O Presidente do Grupo Parlamentar do CDS-PP Açores, Artur Lima, defendeu, esta terça-feira, que, no âmbito do novo Programa Operacional 2014-2020, devem ser criados apoios diferenciados no POSEI para os produtores de hortícolas, flores e frutos açorianos, por se tratar, nalguns casos, de “produtos que são identitários da cultura e da história” do arquipélago.

Após reunir com a direcção da Cooperativa ProFrutos, responsável pela produção de ananás de São Miguel, e de visitar as estufas de produção do “rei dos frutos” que se cultiva e produz na Região desde meados do século XIX, cumprindo o segundo dia das VI Jornadas Parlamentares dedicadas ao novo envelope financeiro comunitário para os próximos sete anos, Artur Lima não tem dúvidas em afirmar que “a cultura do ananás é fundamental para os Açores”, porque este é um produto que, “além do valor económico que tem, identifica os Açores, é identitário da nossa cultura e da nossa história” e, por isso, “merece apoios diferenciados”.

Neste sentido, o Líder Parlamentar popular diz que “no próximo quadro comunitário de apoio, no âmbito do novo POSEI, é preciso haver apoios específicos para estas culturas, apoios que defendam e promovam um produto genuinamente açoriano como é, por exemplo, o ananás de São Miguel e dos Açores”.

Os democratas-cristãos “equacionam” diligenciar propostas e iniciativas com vista à prossecução deste objectivo de separação dos apoios do POSEI entre a lavoura e os produtores horto-fruti-florícolas, mas desafia o Governo Regional a “equacionar também essa possibilidade de haver apoios específicos e um POSEI separado para a horto-fruti-floricultura, de maneira a que estes produtos sejam apoiados de maneira diferente, de forma mais intensa e mais direccionada”.

Isto porque, prosseguiu, “o futuro dos Açores passa por produtos diferenciados, de elevada qualidade, que não existam em mais parte nenhum do Mundo e o ananás é um destes casos, pois a única região de Portugal onde se produz este fruto é nos Açores”. Assim, concluiu, estas culturas “tem que ser devidamente apoiadas, fundamentadas e divulgadas”.   

Recorde-se que, nas VI Jornadas Parlamentares dos populares açorianos, a decorrer na ilha de São Miguel, na passada segunda-feira, Artur Lima tinha anunciado outras medidas que visam o cabal aproveitamento dos próximos fundos comunitários, no sentido de os “colocar ao serviço das pessoas”, respectivamente anunciando a apresentação de uma proposta para equiparar as diárias dos doentes deslocados às ajudas de custa dos membros do Governo Regional, Deputados e funcionários públicos, e suportar os encargos com as deslocações dos doentes através de fundos comunitários, libertando assim as unidades de saúde destes custos para fazerem face aos compromissos que estão por pagar aos fornecedores do Serviço Regional de Saúde.

Aliás, precisamente sobre o novo envelope financeiro de Bruxelas o CDS-PP já havia anunciado, no passado mês, uma outra proposta que visa a criação de um Plano Estratégico de Desenvolvimento das Fajãs da ilha de São Jorge, exactamente por cativação específica dos fundos comunitários. 

Deixe uma resposta