Escolas com 113 docentes de baixa desde o início do ano escolar

Nos estabelecimentos de ensino público dos Açores, 113 professores apresentaram baixa  médica desde o início do novo ano escolar, a 1 de setembro, levando à abertura de concursos para o mesmo número de vagas na Bolsa de Emprego Público dos Açores (BEPA).

De acordo com os dados da Secretaria Regional da Educação e Assuntos Culturais, disponibilizados ontem, tratam-se de baixas de longa duração.

Mas a tutela salienta que este número de docentes com atestado médico representa  2,3% dos professores das escolas açorianas.

O recurso à Bolsa de Emprego Público dos Açores pelas escolas acontece quando, na lista de candidatos ao concurso de pessoal docente promovido pela Direção Regional de Educação, já não há professores disponíveis nos grupos profissionais pretendidos, ou porque os candidatos que constam da referida lista não concorreram para aquela escola.

Segundo o Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA), no ano passado, por falta de candidatos que garantissem a substituição de professores, houve mesmo necessidade, em algumas escolas, de recorrer ao trabalho extraordinário docente. E o Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA) fala mesmo do recurso a candidatos sem habilitação para a docência ou mesmo com habilitações inferiores a licenciatura, no ano letivo 2021/22.

O SPRA diz que os grupos profissionais onde há mais falta de professores é no grupo de Informática, Física e Química, Biologia/ Geologia, Geografia e História (em ordem decrescente). E o SDPA acrescenta a Educação Especial a estas carências, considerando que a falta de docentes é transversal a todas as ilhas, e não apenas às pequenas, afetando inclusive as escolas dos grandes centros urbanos, como Ponta Delgada.

No início do ano letivo, a secretária regional da Educação e Assuntos Culturais, Sofia Ribeiro, adiantou que neste novo ano escolar, entraram para os quadros 429 docentes, estando 4711 docentes em funções letivas na Região, “mais 45 do que no ano anterior”, num ano em que há uma redução de 721 alunos no sistema educativo regular e um aumento de 92 turmas. 

Por reconhecer a escassez de professores, o Governo Regional vai apoiar a Universidade dos Açores,  através de um contrato-programa, em 93 750 euros, para a abertura de cinco cursos de mestrado via ensino: a Português e Inglês no 2.º e 3.º ciclo do Ensino Básico e no Ensino Secundário; História no 3.º ciclo e no Ensino Secundário; Matemática no 3.º ciclo e no Ensino Secundário; e Informática no 3.º ciclo e no Ensino Secundário.

Açoriano Oriental/RL Açores

Deixe uma resposta