Rastreios de saúde precoce dos alunos açorianos não podem esperar

 

O PSD/Açores exigiu esta terça-feira responsabilidades ao Governo Regional perante “as sinalizações feitas na escolas em torno dos alunos que necessitam de apoio especial”, considerando que “os rastreios precoces de saúde não podem esperar pelos exames globais de saúde, efetuados aos 5 anos, aos 12 ou 13 anos de idade, nos nossos centros de saúde”, disse o deputado Luís Maurício.

“Onde estão os rastreios efetuados nas escolas, como o próprio plano regional de saúde prevê? E quem os faz?”, questionou o social democrata.

O deputado do PSD/Açores defende “a identificação precoce dos problemas de saúde de que são portadores os nossos alunos”, até porque diminuições da acuidade visual e da acuidade auditiva “têm de ser identificadas muito cedo e, quanto mais cedo for feita essa identificação, melhor é o prognóstico dessas crianças, melhor será o seu desenvolvimento e o seu nível de aprendizagem”, frisou.

Luís Maurício perguntou mesmo à tutela pela “proporção de rastreios auditivos e oftalmológicos existente nos últimos dois anos, nas nossas escolas”, reforçando que “essas crianças não podem ficar à espera dos exames efetuados nos centros de saúde. Feitos quando a população tem médico de família para os fazer”.

O social democrata recordou que, num debate recente, o secretário regional da saúde “reconheceu que 55 mil açorianos não têm médico de família. Pressuponho que, nestes 55 mil, haverá muitas crianças que necessitariam de ser observadas, e não o são”, adiantou.

Luís Maurício concluiu lembrando que o PSD/Açores apresentou, “há cerca de 2 anos, um projeto de resolução que visava o reforço dos técnicos dessas áreas nas escolas açorianas. Os senhores [bancada parlamentar do PS] chumbaram-no. Apenas porque foi o PSD a propor, e porque os senhores põem a partidarite à frente dos interesses dos açorianos”, disse.

GI PSD Açores/RL Açores

Deixe uma resposta