Governo dos Açores associa redução do nível de risco do Centro Europeu para Prevenção e Controlo de Doenças à vacinação

O secretário regional da Saúde dos Açores considerou, esta quinta-feira, que a descida do nível de risco de transmissão de SARS-CoV-2 na região demonstra “o bom resultado” do combate à pandemia e resulta do aumento da vacinação.

“A vacinação está a ser a principal ferramenta de combate à pandemia e de garantir a proteção da população. Isso demonstra-se, desde logo, pela redução do número de internamentos e do número de óbitos”, avançou, em declarações à Lusa, o titular da pasta da Saúde nos Açores, Clélio Meneses.
Os Açores deixaram hoje de figurar como ‘alto risco’ para Covid-19 nos mapas do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), que auxiliam decisões sobre viagens na União Europeia (UE), continuando o resto do país no ‘vermelho’.

Depois de, na semana passada, todas as regiões de Portugal terem passado para a categoria de ‘vermelho’ (o que significa ‘risco elevado’), os Açores passam hoje para a categoria ‘laranja’ (referente a territórios onde a taxa de notificação de novas infeções é de 50 a 75 por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias e a taxa de positividade dos testes é de 1% ou entre 75 e 200 novos infetados por 100 mil habitantes e a taxa de positividade dos testes de 4% ou mais).

Questionado pela Lusa, Clélio Meneses disse que é “mais uma boa notícia que demonstra o bom resultado do combate à pandemia na Região Autónoma dos Açores”.
“São entidade externas que reconhecem o sucesso do combate à pandemia nos Açores, com números que demonstram que, quer pelas medidas que foram sendo adotadas no início deste ano de 2021, através da matriz de risco, através de medidas restritivas aplicadas a cada lugar e a cada tempo em concreto, quer progressivamente através do processo de vacinação, nos Açores tomámos as medidas que fazem com que os resultados sejam positivos”, frisou.

Clélio Meneses destacou o papel da vacinação contra a Covid-19, salientando que os Açores têm “mais de 74% da população completamente vacinada”.

Segundo o governante, dos oito doentes internados com covid-19 nos Açores (dois em cuidados intensivos), todos no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, “só há uma pessoa vacinada”.
“As pessoas com sintomatologia mais intensa ou até casos de óbitos são pessoas que não foram vacinadas por recusa. A vacina é o caminho para a proteção da população”, sublinhou.

A Autoridade de Saúde Regional dos Açores alterou, a 06 de agosto, a matriz de risco de transmissão de SARS-CoV-2, passando a incluir, além da incidência de casos, o número de internamentos em hospital e o número de óbitos devido à Covid-19.

Segundo o boletim, todas as ilhas do arquipélago estão no nível de muito baixo risco, com exceção de São Miguel, que baixou de médio para baixo risco.
Clélio Meneses disse que o executivo açoriano deverá aprovar , em Conselho de Governo, uma atualização das medidas restritivas (que serão divulgadas esta sexta-feira), acrescentando que os Açores caminham “cada vez mais para a normalidade”.

“Caminhamos a passos largos para atingirmos os níveis de vacinação que garantam maior proteção, na casa dos 80% a 85%. Quando atingirmos esses níveis de forma consolidada – e que essa leitura se faça de forma conjugada com a incidência de casos, os internamentos e os óbitos – tomaremos medidas de normalização cada vez mais evidente da vida das pessoas”, assegurou.

Açoriano Oriental/RL Açores

Deixe uma resposta