Primeira fase da vacinação “praticamente concluída” nos Açores

A primeira fase do plano de vacinação contra a Covid-19 nos Açores está “praticamente concluída”, faltando apenas doentes acamados e outros que ainda não foi possível contactar, revelou o Diretor Regional da Saúde.

“Esta semana ficará praticamente concluída a primeira fase do processo de vacinação, com exceção de alguma vacinação ao domicílio, que ainda decorre, naturalmente das recusas que foram acontecendo a algumas pessoas que foram contactadas, e ainda em número significativo como sabemos, e também de pessoas que não atenderam o telefone quando foram contactadas”, afirmou Berto Cabral, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

De acordo com o portal de vacinação contra a Covid-19 dos Açores, já foram administradas na região 79.589 doses de vacinas contra a Covid-19, a 56.419 pessoas (22,9% da população, segundo os censos de 2011), das quais 23.170 com duas doses (9,4%).

Segundo o Diretor Regional da Saúde, só desde quinta-feira, foram administradas nos Açores 9.500 doses de vacinas contra a covid-19.

“O processo começa claramente a acelerar na Região Autónoma dos Açores e o que está previsto para o próximo mês é que tenhamos um maior número de vacinas a chegar à região”, salientou.

Berto Cabral lamentou, no entanto, o atraso na chegada aos Açores de 10 mil doses de vacinas da AstraZeneca, que deveriam ter chegado esta semana e estão agora previstas para a próxima.

O Diretor Regional disse que a região continua também a aguardar informações sobre a data e quantidade do primeiro lote de vacinas da Janssen, estando para já apenas confirmadas 46.800 doses da Pfizer no decorrer do mês de maio.

A segunda fase da vacinação já arrancou nos Açores, mas Berto Cabral apelou às pessoas com mais de 75 anos e com as patologias integradas na primeira fase, que não tenham sido contactadas ou vacinadas, para que contactem os seus centros de saúde.

Na segunda fase, será dada prioridade às pessoas com Trissomia 21, com mais de 16 anos, às pessoas com idades entre os 74 e os 60 anos e, simultaneamente, às pessoas com idades entre os 59 e 16 anos com pelo menos uma das patologias identificados no plano.

“A vacinação das pessoas com as patologias de risco identificadas deve ser efetuada preferencialmente por faixas etárias decrescentes, sem prejuízo da vacinação em contextos específicos como medida de saúde pública”, frisou o Diretor Regional da Saúde.

Entre as patologias previstas estão “doença pulmonar crónica, doença cardiovascular, doença hepática crónica, insuficiência renal crónica, diabetes, obesidade, transplantados, pessoas que façam terapia de imunossupressão, pessoas com neoplasias malignas ativas, um conjunto de doenças neurológicas e mentais e doenças lisossomais”.

Só depois serão vacinadas as pessoas entre os 59 e os 16 anos, “por faixas etárias decrescentes”.

Quem já esteve infetado há pelo menos seis meses também poderá ser vacinado, “de acordo com o grupo prioritário e faixa etária a que pertence”, recebendo apenas uma dose, a menos que tenha imunossupressão.

Imagem: sns.gov.pt

Açoriano Oriental/RL Açores

Deixe uma resposta