Qualidade nutricional das refeições escolares deve passar a ser critério de seleção, defende o BE

O Bloco de Esquerda entregou hoje no parlamento dos Açores uma proposta para que as escolas públicas dos Açores implementem, no prazo de seis meses, critérios de qualidade nutricional que orientem um processo de avaliação às refeições escolares, e que estes critérios sejam considerados para futuras adjudicações de refeições escolares.

A proposta do BE assinala que a qualidade das refeições escolares não se afere, unicamente, através das condições higiénico-sanitárias inerentes à confeção e transporte, e que importa, para salvaguarda da saúde das crianças e dos jovens, “garantir o cumprimento de critérios que validem a qualidade nutricional das refeições servidas nas escolas públicas da Região”.

Isto porque, de acordo com o BE, os preços praticados pelas empresas fornecedoras de refeições escolares são, claramente, incompatíveis com a qualidade e equilíbrio nutricional e são resultados de uma lógica reducionista associada à decisão de adjudicação, em que impera o critério do preço sobre todos os outros”.

“A falta de consideração e preocupação acerca da qualidade nutricional das refeições escolares é sintomática de uma política de saúde que tarda em investir na promoção da saúde e na prevenção primária, até porque, no que diz respeito à alimentação nas escolas, só se questiona a qualidade do que é servido às crianças e aos jovens, quando ocorrem em situações de intoxicação alimentar”, refere a proposta.

O projecto de resolução foi entregue com pedido de urgência em comissão, por forma a garantir que será debatido e votado a tempo de produzir efeito já a partir do próximo ano lectivo, caso venha a ser aprovado.

GI BE Açores/RL Açores

Deixe uma resposta