Rede 5G chega a todas as ilhas até ao final do ano

Conferência “Tecnologia: a próxima geração”, promovida pela Altice Empresas, decorreu ontem e contou com intervenções de especialistas nas áreas da segurança, do turismo, das ‘smart cities’ e da saúde.

A presidente executiva da Altice Empresas anunciou ontem que a empresa vai reforçar a cobertura de rede móvel 4G e de nova geração 5G no arquipélago que chegará a todas ilhas até ao final do ano, realizando até 2023 um investimento de cerca de 8 milhões de euros.

De acordo com Ana Figueiredo, estão previstas para os Açores, nos  próximos dois anos,  14 novas estações da rede móvel para reforço da rede móvel 4G nas ilhas de Santa Maria, São Jorge, Faial, Terceira, Pico e São Miguel.

Enquanto na rede 5G, os Açores que contam atualmente com seis estações, passarão até ao final de 2022 a contar com mais 22 estações, de modo a colocar este serviço em todas as ilhas e concelhos, cobrindo cerca de 75% da população.

Ana Figueiredo falava na abertura da conferência “Tecnologia: a próxima geração”, promovida pela Altice Empresas que decorreu ontem no Teatro Micaelense e teve o Açoriano Oriental como media partner.

“A Altice Portugal tem vindo a reiterar o seu compromisso com a Região Autónoma dos Açores onde se posiciona como referência tecnológica e importante agente de desenvolvimento socioeconómico, promovendo a aproximação à comunidade e também o reforço do investimento na Região”, afirmou, frisando: “Somos o operador económico que historicamente mais tem investido nos Açores”.

Ainda sobre o investimento em infraestruturas na Região, a Altice Empresas revelou que durante este ano vai investir nos municípios de Ponta Delgada, Ribeira Grande e Lagoa.

Em Ponta Delgada, que tem cobertura 5G desde janeiro deste ano,  a empresa vai passar a ter uma cobertura de fibra ótica superior a 95% e três novos sites móveis nas freguesias de Santo António, Ajuda da Bretanha e Candelária.

Por sua vez, a Ribeira Grande terá um novo site móvel na freguesia dos Fenais da Ajuda e será ativada a rede 5G até ao final do ano.

Já a Lagoa vai passar a estar dotada de uma cobertura de fibra ótica superior a 95% até ao final de 2022 e de três novos sites móveis nas freguesias do Cabouco, Água de Pau e Rosário de forma a reforçar a cobertura de voz e dados móveis.

Este evento, que juntou cliente da empresa e especialistas em áreas como a segurança, o turismo, as smart cities e a saúde, visou de acordo com a presidente executiva da Altice Empresa “apontar caminhos para a superação dos desafios digitais, potenciando desta forma a inovação, o crescimento e a competitividade do tecido empresarial”.

Terminada a sessão de abertura, teve início o primeiro bloco de discussão desta conferência que foi dedicado à segurança e contou com José Alegria, Chief Information Security Officer, da Altice Portugal, que refletiu sobre “Tendências atuais na Cibersegurança Empresarial: Ameaças e Contramedidas”.

O especialista destacou que o cibercrime está cada vez mais organizado, salientando que os ataques informáticos têm estratégias concretas para alvos específicos, o que implica que se tomem contramedidas específicas para evitar ciberataques catastróficos – que vão perturbar o funcionamento das empresas – ou com elevado impacto no Regulamento Geral de Proteção de Dados.

De seguida realizou-se a mesa redonda “Cibersegurança – Não corra riscos desnecessários”, com a participação de Denis Cassinerio, diretor de vendas do Sul da Europa da Acronis; Madalena Pacheco, CIO da EDA – Eletricidade dos Açores, SA; Paulo Vieira, Sales Manager – Portugal da Palo Alto Networks; Pedro Batista, diretor regional das Comunicações e Transição Digital; e com moderação de Paulo Rego, diretor de Produto e Pré-Venda, Altice Empresas.

“Expandir as fronteiras com o turismo de nova geração” foi o tema abordado por Carlos Santos, presidente da direção do Observatório do Turismo dos Açores, que abriu o segundo bloco de reflexão, e no qual defendeu que a inovação e a qualificação da mão-de-obra no turismo são as únicas fontes de competitividade e de sustentabilidade do setor a longo prazo nos Açores.

Carlos Santos revelou ainda que o Observatório do Turismo dos Açores pretende reforçar o seu contributo para a transformação dos Açores num destino turístico inteligente, ou seja, num território turístico diferenciado que facilita a interação e a integração do visitante e agrega valor na qualidade da sua experiência no destino pelo uso de metodologias e tecnologias inovadoras. 

Após esta intervenção realizou-se a mesa redonda “O novo turista digital”, com a participação de Rosa Costa, diretora regional do Turismo; Inês Ferreira, diretora de Produto ICT da Altice Empresas; Jorge Aguiar, administrador Executivo da Bensaude Turismo; Martim Pessanha, Managing Partner da GEMA; e com moderação de Daniela Alvares, professora auxiliar em Turismo, da Universidade dos Açores.

À tarde, Miguel de Castro Neto, diretor da NOVA Information Management e coordenador do NOVA Cidade – Urban Analytics LAb, iniciou o evento com a palestra “Como evoluir para uma cidade sustentável e Smart?”.

Para o especialista, vive-se hoje uma mudança de paradigma, em que se pretendem cidades mais sustentáveis, mas também mais inclusivas e resilientes e  com espaços seguros.

“Já não se trata de responder ao desafio da emergência climática, hoje somos confrontados com a emergência de reduzirmos a utilização dos recursos e de sermos mais eficientes, porque há escassez de recursos e vivemos num contexto de guerra na Europa”, afirmou, defendendo que todos estes fatores contribuem para a mudança de paradigma da cidade.

E neste repensar da cidade defende que se ajuste a resposta da cidade às pessoas que nela vivem ou visitem, através das diferentes ferramentas tecnológicas que existem atualmente.

Em seguida, foi promovida a mesa redonda “Como são as Smart Cities de hoje?” com a participação de Abel Aguiar da Global Partner Solutions Lead, Microsoft Portugal; Alexandre Gaudêncio, presidente do Município de Ribeira Grande; Paulo Rego, diretor de Produto e Pré-Venda da Altice Empresas; Pedro Francisco, Regional Sales Leader da Cisco Portugal; e com moderação de Paulo Simões, diretor editorial, do Açoriano Oriental.

O último bloco temático foi dedicado à saúde e teve Maria de Belém Roseira, ex-ministra da Saúde, a falar sobre “Tecnologia na Saúde. O que podemos ambicionar?”.

A antiga ministra da Saúde realçou que a União Europeia considera que a transformação digital na Saúde é “uma ferramenta essencial para ultrapassarmos muitos dos problemas, de forma a casar a universalidade com a acessibilidade e para garantir formas mais inteligentes de soluções de saúde que permitam com base na análise de dados e nos processos eletrónicos o acesso a consultas que podem ser feitas através de tecnologias virtuais e transferem parte da hospitalização para o domicílio”.

No entanto, destaca que a transformação digital na área da saúde exige mudanças nas atitudes e competências dos profissionais e doentes , assim como das organizações. Realçando que a tecnologia digital fornece apenas um instrumento, não transformando por si própria o setor.

A esta intervenção seguiu-se a mesa redonda “Como vem o 5G mudar a Saúde?” que teve a participação de Alcino Lavrador, diretor-geral da Altice Labs; Clélio Menezes, secretário regional da Saúde e Desporto; Nuno Almeida, IM B2B Manager da Samsung Portugal; Pedro Gouveia, MD, PhD, breast surgeon, designer and researcher, Breast Unit da Champalimaud Clinical Center; e moderação de Francisco Martins, vice-reitor para a Administração, Planeamento e Infraestruturas, da Universidade dos Açores.

Este evento encerrou com uma intervenção de Nuno Nunes, Chief Sales Officer B2B da Altice Portugal, que afirmou que a Altice Empresas deixou de ser  uma empresa de comunicações, tendo-se transformado numa empresa mais global, pelo que o evento de ontem é o reflexo exatamente da capacidade de desenvolvimento de todas essas soluções tecnológicas.

Altice Labs e UAc assinam protocolo de cooperação 

A Altice Labs e a Universidade dos Açores (UAc) assinaram ontem um protocolo de cooperação que visou o estabelecimento de ações de colaboração científico-tecnológica, começando pela cooperação ao nível da formação pós-graduada, estágios no âmbito de projetos colaborativos de I&D e intercâmbio de especialistas.

“É fundamental o investimento em competências e por isso faz todo o sentido criar relações com as academias e neste caso com a Universidade dos Açores, uma universidade com prestígio e com a amplitude descentralizada de atuação”, destacou na ocasião a presidente executiva da Altice Empresas, Ana Figueiredo.

Para a CEO da Altice Empresas, este protocolo respondeu a dois objetivos: “por um lado, desenvolver soluções de inovação tecnológica possibilitando o desenvolvimento científico nas áreas de atuação da Altice Portugal, em colaboração com a Altice Labs. E, por outro lado, desenvolver aqueles que poderão ser os futuros quadros da nossa empresa, não só nos Açores, como na Altice Portugal e Altice Labs”.

Por sua vez, Susana Mira Leal, reitora da Universidade dos Açores, destacou a importância da relação entre a formação e o mundo do trabalho.

“A aproximação da formação ao mundo empresarial é sempre uma mais-valia para a qualidade da formação que se promove”, disse, acrescentando: “A nossa relação com as empresas, e a parceria em particular com a Altice Empresas, permite que os nossos estudantes, nas áreas da informática e das engenharias, possam desenvolver competências, reforçando a qualidade da sua formação e fazendo a ponte com o mundo empresarial”.

Ainda durante esta visita da Comissão Executiva da Altice Portugal foi renovado o apoio à inovação e ao empreendedorismo através da parceria de cooperação entre a Altice Labs, a Altice Empresas e a NONAGON – Parque de Ciência e Tecnologia de São Miguel.

Decorreu também a oferta de equipamentos tecnológicos ao Lar da Mãe de Deus e ao Centro Social e Paroquial da Fajã de Baixo, com vista a criar oportunidades iguais para todos os jovens, dando resposta às suas necessidades, garantindo e contribuindo para a digitalização da educação e da sociedade.

E de modo a garantir o acesso de todos à prática do desporto, dado que promove hábitos de vida saudáveis e melhora a qualidade de vida das pessoas, a Altice Portugal doou uma prancha de surf adaptado à Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande e duas pranchas da Liga MEO Surf ao Clube Naval de Rabo de Peixe.

Foi ainda anunciado o protocolo estabelecido entre a Altice – Associação de Cuidados de Saúde e o Grupo SATA.

Açoriano Oriental/ RL Açores

Deixe uma resposta