Félix Rodrigues define: Problemas sociais devem ser prioridade da próxima Legislatura

O cabeça de lista da Coligação CDS-PP/PPM “Aliança Açores”, Félix Rodrigues, defendeu, esta quarta-feira, que a próxima legislatura “deve estar vocacionada para os problemas sociais” do País e da Região, apontando a necessidade de integrar, valorizar e criar capital humano através da educação” de modo a que se possam formar novas gerações de riqueza em Portugal.

Numa ação de pré-campanha no Bairro de Santa Rita, no Concelho da Praia da Vitória, que contou com a presença de Domingos Doutel, Coordenador Autárquico nacional do CDS-PP, Félix Rodrigues definiu como “uma das principais prioridades” do próximo mandato dos Deputados à Assembleia da República “a definição de políticas que esbatam as assimetrias e as desigualdades sociais” que a crise económica e financeira que assolou o País criou na sociedade.

Como exemplo do falhanço das políticas de combate às assimetrias sociais e como prova de que uma sociedade sem educação e qualificações não consegue ser geradora de riqueza, o candidato da “Aliança Açores” apontou “a enorme percentagem de abandono escolar” que se regista nos Açores.

“A ‘Aliança Açores’ entende que a próxima legislatura deve estar vocacionada para os problemas sociais. Após uma crise é fundamental que se pense o social, essencialmente por causa das assimetrias sociais que se criam em épocas de crise, bem como as desigualdades sociais que aparecem nestes contextos. Os Açores é uma região problemática e que necessita de políticas adequadas”, afirmou.

Uma dessas políticas, especificou, “é a do combate ao abandono escolar”: “É triste que, após 40 anos de Autonomia, os Açores tenham a maior taxa de abandono escolar da Europa, 30%. Estes números deviam envergonhar qualquer governante e devem envergonhar alguns candidatos atuais à Assembleia da República pelos Açores que, nos últimos 40 anos de Autonomia, tiveram grandes responsabilidades políticas e governativas na Região”.

Para Félix Rodrigues o facto de termos “essa enorme percentagem de abandono escolar nos Açores, cria assimetrias sociais”, porque “sem as competências mínimas é impossível criar emprego qualificado, é impossível garantir às novas gerações que possam ter empregos condignos”.

Assim, prosseguiu, “as assimetrias e as desigualdades sociais só se combatem criando emprego, essencialmente privado, porque o emprego público é insustentável no contexto económico e financeiro de crise, que está a dar os primeiros passos de recuperação”.

Para o cabeça de lista da coligação CDS-PP/PPM “uma sociedade só é justa quando é capaz de integrar, de valorizar qualquer pessoa e de criar capital humano através da educação. É exatamente por este tipo de políticas que a ‘Aliança Açores’ se baterá na Assembleia da República”, assumiu, esperando poder contar com o voto de confiança dos eleitores Açorianos nas eleições Legislativas do próximo dia 4 de Outubro.

GI CDS-PP Açores/RL Açores

Deixe uma resposta